Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Brazil takes off – The economist

por blogdobesnos, em 16.04.12
Rate This

 

Ei, “especialistas” em política e economia que tanto me patrulharam nas eleições de 2010, que tanto serviram para dizer estultícies, que demonstraram tão claramente sua ignorância e racismo e mais, desconhecimento do país em que vivem, que tanto injuriaram, please, translate. Or read. Não, eu não penso que não há erros, corrupções, muito a ser feito, mas também não sou néscio a ponto de  desconhecer ou ignorar a realidade.

 

Brazil

Nov 12th 2009 | from PRINT EDITION

Rex Features

WHEN, back in 2001, economists at Goldman Sachs bracketed Brazil with Russia, India and China as the economies that would come to dominate the world, there was much sniping about the B in the BRIC acronym. Brazil? A country with a growth rate as skimpy as its swimsuits, prey to any financial crisis that was around, a place of chronic political instability, whose infinite capacity to squander its obvious potential was as legendary as its talent for football and carnivals, did not seem to belong with those emerging titans.

Now that scepticism looks misplaced. China may be leading the world economy out of recession but Brazil is also on a roll. It did not avoid the downturn, but was among the last in and the first out. Its economy is growing again at an annualised rate of 5%. It should pick up more speed over the next few years as big new deep-sea oilfields come on stream, and as Asian countries still hunger for food and minerals from Brazil’s vast and bountiful land. Forecasts vary, but sometime in the decade after 2014—rather sooner than Goldman Sachs envisaged—Brazil is likely to become the world’s fifth-largest economy, overtaking Britain and France. By 2025 São Paulo will be its fifth-wealthiest city, according to PwC, a consultancy.

And, in some ways, Brazil outclasses the other BRICs. Unlike China, it is a democracy. Unlike India, it has no insurgents, no ethnic and religious conflicts nor hostile neighbours. Unlike Russia, it exports more than oil and arms, and treats foreign investors with respect. Under the presidency of Luiz Inácio Lula da Silva, a former trade-union leader born in poverty, its government has moved to reduce the searing inequalities that have long disfigured it. Indeed, when it comes to smart social policy and boosting consumption at home, the developing world has much more to learn from Brazil than from China. In short, Brazil suddenly seems to have made an entrance onto the world stage. Its arrival was symbolically marked last month by the award of the 2016 Olympics to Rio de Janeiro; two years earlier, Brazil will host football’s World Cup.

At last, economic sense 

In fact, Brazil’s emergence has been steady, not sudden. The first steps were taken in the 1990s when, having exhausted all other options, it settled on a sensible set of economic policies. Inflation was tamed, and spendthrift local and federal governments were required by law to rein in their debts. The Central Bank was granted autonomy, charged with keeping inflation low and ensuring that banks eschew the adventurism that has damaged Britain and America. The economy was thrown open to foreign trade and investment, and many state industries were privatised.

All this helped spawn a troupe of new and ambitious Brazilian multinationals (see our special report). Some are formerly state-owned companies that are flourishing as a result of being allowed to operate at arm’s length from the government. That goes for the national oil company, Petrobras, for Vale, a mining giant, and Embraer, an aircraft-maker. Others are private firms, like Gerdau, a steelmaker, or JBS, soon to be the world’s biggest meat producer. Below them stands a new cohort of nimble entrepreneurs, battle-hardened by that bad old past. Foreign investment is pouring in, attracted by a market boosted by falling poverty and a swelling lower-middle class. The country has established some strong political institutions. A free and vigorous press uncovers corruption—though there is plenty of it, and it mostly goes unpunished.

Just as it would be a mistake to underestimate the new Brazil, so it would be to gloss over its weaknesses. Some of these are depressingly familiar. Government spending is growing faster than the economy as a whole, but both private and public sectors still invest too little, planting a question-mark over those rosy growth forecasts. Too much public money is going on the wrong things. The federal government’s payroll has increased by 13% since September 2008. Social-security and pension spending rose by 7% over the same period although the population is relatively young. Despite recent improvements, education and infrastructure still lag behind China’s or South Korea’s (as a big power cut this week reminded Brazilians). In some parts of Brazil, violent crime is still rampant.

National champions and national handicaps

There are new problems on the horizon, just beyond those oil platforms offshore. The real has gained almost 50% against the dollar since early December. That boosts Brazilians’ living standards by making imports cheaper. But it makes life hard for exporters. The government last month imposed a tax on short-term capital inflows. But that is unlikely to stop the currency’s appreciation, especially once the oil starts pumping.

Lula’s instinctive response to this dilemma is industrial policy. The government will require oil-industry supplies—from pipes to ships—to be produced locally. It is bossing Vale into building a big new steelworks. It is true that public policy helped to create Brazil’s industrial base. But privatisation and openness whipped this into shape. Meanwhile, the government is doing nothing to dismantle many of the obstacles to doing business—notably the baroque rules on everything from paying taxes to employing people. Dilma Rousseff, Lula’s candidate in next October’s presidential election, insists that no reform of the archaic labour law is needed (seearticle).

And perhaps that is the biggest danger facing Brazil: hubris. Lula is right to say that his country deserves respect, just as he deserves much of the adulation he enjoys. But he has also been a lucky president, reaping the rewards of the commodity boom and operating from the solid platform for growth erected by his predecessor, Fernando Henrique Cardoso. Maintaining Brazil’s improved performance in a world suffering harder times means that Lula’s successor will have to tackle some of the problems that he has felt able to ignore. So the outcome of the election may determine the speed with which Brazil advances in the post-Lula era. Nevertheless, the country’s course seems to be set. Its take-off is all the more admirable because it has been achieved through reform and democratic consensus-building. If only China could say the same.

from PRINT EDITION | Leaders

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:48

Conheço a Dona Florinda

por blogdobesnos, em 16.04.12
Rate This

 

E não se misture com essa gentalha, hunf! por Nihonjin IlustraRÁ-RÁ-RÁ! por Nihonjin Ilustra

… e não se misture com essa gentalha!                           RÁ – RÁ – RÁ

Nihonjin ilustra

Fonte: http://www.flickr.com/search/?q=dona+florinda+chaves&page=2

 

 

Eu conheço a Dona Florinda e também o Kiko. Mas, todo Kiko só é Kiko porque sua mãe é a Dona Florinda. No caso, a Dona Florinda que conheço é extremamente controladora, que vive projetando em seu filho seus delírios de grandeza. Ela sempre está on board, fazendo a mais absoluta questão de clicar em sua inseparável digital dezenas, centenas, milhões de fotos. Se há um evento que envolva outras mães e outras crianças, ela será aquela que orbitará ao redor dos organizadores, querendo saber quem veio, quem não veio, porque veio e porque não veio e invariavelmente fará o possível (e por que não o improvável, senão o impossível) para fazer parte da comissão que organizará o evento. Se for aceita, o evento será ótimo. Se ocorrer o contrário, o evento será, no máximo, razoável, sobrando, por evidente, farpas para alguém (ou alguéns) da mesma comissão.

Dona Florinda faz questão absoluta de criar seu filho de modo competitivo e frugalmente educado. Explico: por mais que ela gentilmente diga que as outras crianças são ótimas, não sentimos, aí, sinceridade. Se os filhos dos outros são ótimos, o dela é o maravilhoso. Faz questão de que o filho seja sempre o melhor em tudo. Enche, abarrota o menino de brinquedos: para ela, o melhor é que o filho tenha todos os últimos lançamentos de brinquedos, especialmente se forem de marca, custarem caro e forem eletrônicos. Aí, é imbatível. No entanto, embora pregue uma situação economica e financeira superior, sabe que isso não é verdadeiro. A Dona Florinda que conheço é inconstante e por vezes inconsequente. Prepara o mundo para o filho, e não o contrário.

Talvez por ser assim, a mesma, do ponto de vista cultural, é um pouco mais que lamentável. Não há muito o que conversar com ela, a não ser dar risadas das suas histórias familiares, ficarmos constrangidos com as suas fofocas diárias ou repararmos que todo o seu esforço em tornar seu filho o melhor não se reflete, por exemplo, em aquisições de conhecimento na escola. O filho não escreve bem, mas sabe que deve seguir à risca o ritual polimórfico religioso que a mãe lhe impôs. Determinadas expressões são proibidas, e Dona Florinda se diz religiosa, e nada que escape a um vocabulário asséptico pode ser dito, pois sua moral religiosa imporá limites muito precisos. Assuntos mundanos só servem quando suprem sua língua viperina, que não poupa parentes e, se duvidar, nem suas melhores amigas.

Dona Florinda é um caso perdido no mundo, porque se julga acima da média, e gostaria que o mundo lhe dispensasse tal tratamento, mas, como não é, vive amargurada, embora seja bem humorada. Dona Florinda poderia ser bem melhor, mas isso somente o tempo irá revelar. Quanto ao filho, somente quando chegar à adolescência saberemos os resultados. Espero, de coração, que ele não continue sendo Kiko.

(+) Dona Florinda, aqui, é a personagem de Chaves.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

Funk, mermão!

por blogdobesnos, em 16.04.12

CPT +!Funk, mermão!

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

IBaile Funk por by BRUNO CANTINI

Fonte: http://www.flickr.com/search/?w=all&q=baile+funk&m=text

 

Adoro música. Desde pequeno. Das recordações que possuo em minha vida, quase todas podem ser associadas a uma voz, a uma melodia, a um ritmo. Posso dizer que fui muito feliz, porque passei pela bossa nova, pelo tropicalismo, pelos carnavais, pelas marchinhas, pelo Minha Galera não teme os mares não teme o tufão minha galera só tem garotas na guarnição, fui fan e continuo de Tom Brasileiro Jobim, vi nascer praticamente Chico Buarque de Hollanda, cantei tangos com meu pai desde Garufa até Mi Buenos Aires querido cuando yo te vuelva a ver, Corrientes tres cuatro ocho segundo piso acensor, enfim, há toda uma história que faz parte da minha vida, chorei desbragadamente, e por aí fui, até chegar hoje. Fico meio chateado quando me chamam eventualmente de saudosista, mas me lembro, por exemplo, que era comum ouvir música francesa, americana, inglesa, italiana nas estações de rádio AM, e foi assim que descobri Glenn Miller, Beatles, Piaff, Rolling Stones, e um mundo inteiro foi se descortinando, vi Woodstock, curti Joan Baez, Sérgio Endrigo, Roberto Carlos, enfim, um mundo todo a ser descoberto, a ser imaginado, a ser decodificado através da música, um mundo em que os significados tinham valores agregados.

 

Talvez por isso eu não consiga curtir pancadão, talvez por isso eu pense que rapp é um som muito estranho, e por isso ainda procure consistências entre música e letra. Velhos tempos? Talvez. Mas a impressão que eu tenho é que há atualmente, nas rádios AM uma cultura para imbecilizar as pessoas, e que elas caem muito fácil nessa verdadeira  batalha já perdida contra a ignorância sacralizada. Por exemplo, quando escuto um pancadão, sou remetido a pensar que é algo para embrutecer as almas, para que nós percamos nossa sensibilidade.

 

Por exemplo, como ficaria a leitura desse texto submetida a um pancadão, a um funk? Algo mais ou menos assim:

 

Adoro música. PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO Desde pequeno. Das recordações PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃOque possuo em minha vida PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO , quase todas podem ser associa PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO das a uma voz, a uma melo PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO dia, a um ritmo. Posso dizer PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO que fui muito feliz, porque passei PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO pela bossa nova, pelo tr MEU ERMÃO MEU ERMÃO VEM OUVIR O PANCADÃO opicalismo, pelos carna MEU ERMÃO MEU ERMÃO VEM OUVIR O PANCADÃO vais, pelas marchinhas, AGORA É O PANCADÃO agora pelo MinhaAGORA É O PANCADÃO Galera não teme os mares não AGORA É O PANCADÃO teme o tufão minha galera só PANCADÃO PANCADÃO Tem garotas na guarnição, fui fan e continuo de PANCADÃO PANCADÃO VEM OUVIR O MEU ERMÃO Tom Brasileiro Jobim, PANCADÃO PANCADÃO VEM OUVIR O MEU ERMÃO vi nascer praticamente Chico Buarque BOTA BUNDINHA PRA CIMA de Hollanda, BOTA BUNDINHA PRO CHÃO cantei tangos com BOTA BUNDINHA PRA CIMA meu pai desde Garufa até BOTA BUNDINHA PRO CHÃO Mi Buenos Aires querido cuandoBOTA BUNDINHA PRA CIMA yo te vuelva a ver, Corrientes BOTA BUNDINHA PRO CHÃO tres cuatro ocho segundo piso É O SUCESSO DO MOMENTOacensor, enfim, A PANCADA DO ERMÃO há toda uma história BOTA BUNDINHA PRA CIMA que faz parte da minha vida, BOTA BUNDINHA PRO CHÃO chorei desbragadamente, e É O SUCESSO DO MOMENTO por aí fui, até chegar hoje. A PANCADA DO ERMÃO Fico meio chateado AI AI AI quando me chamam A BUNDA DO PANCADÃO eventualmente AI AI AI de saudosista, mas me lembro, A BUNDA DO PANCADÃO por exemplo, AI AI AI que era comum ouvir A BUNDA DO PANCADÃO música francesa, MEXE A BUNDINHA PRA FRENTE americana, inglesa, italiana nas estações de rádio MEXE A BUNDINHA PRO CHÃO AM, e foi assim que descobri Glenn Miller, MEXE A BUNDINHA PRA FRENTE Beatles, Piaff, Rolling Stones, e um mundo inteiro MEXE A BUNDINHA PRO CHÃO foi se descortinando, É O SUCESSO DO MOMENTO vi Woodstock, curti Joan A BUNDINHA E O PANCADÃO Baez, Sérgio Endrigo, É O SUCESSO DO MOMENTO Roberto Carlos, enfim, um mundo A BUNDINHA E O PANCADÃO todo a ser descoberto, a ser imaginado, A BUNDINHA E O PANCADÃO a ser decodificado através da música, PANCADÃO PANCADÃO BEM AQUI Ó MEU ERMÃO um mundo em que os significados tinham PANCADÃO PANCADÃO VEM AQUI Ó MEU ERMÃO valores agregados.

Lindo, não? Mermão…

hILTON

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:36

Seu pendrive tem blutufe?

por blogdobesnos, em 16.04.12

Seu pendrive tem blutufe?

 

Paulo Wainberg

 

Haroldo tirou o papel do bolso, conferiu a anotação e perguntou à balconista:

- Moça, vocês têm pen drive?
- Temos, sim.
- O que é pen drive? Pode me esclarecer? Meu filho me pediu para comprar um.
- Bom, pen drive é um aparelho em que o senhor salva tudo o que tem no computador.
- Ah, como um disquete…
- Não. No pen drive o senhor pode salvar textos, imagens e filmes. O disquete, que nem existe mais, só salva texto.
- Ah, tá bom. Vou querer.
- Quantos gigas?
- Hein?
- De quantos gigas o senhor quer o seu pen drive?
- O que é giga?
- É o tamanho do pen.
- Ah, tá. Eu queria um pequeno, que dê para levar no bolso sem fazer muito volume.
- Todos são pequenos, senhor. O tamanho, aí, é a quantidade de coisas que ele pode arquivar.
- Ah, tá. E quantos tamanhos têm? Dois, quatro, oito, dezesseis gigas…
- Hmmmm, meu filho não falou quantos gigas queria.
- Neste caso, o melhor é levar o maior.
- Sim, eu acho que sim. Quanto custa?
- Bem, o preço varia conforme o tamanho. A sua entrada é USB?
- Como?
- É que para acoplar o pen no computador, tem que ter uma entrada compatível.
- USB não é a potência do ar condicionado?
- Não, aquilo é BTU.
- Ah! É isso mesmo. Confundi as iniciais. Bom, sei lá se a minha entrada é USB.
- USB é assim ó: com dentinhos que se encaixam nos buraquinhos do computador. O outro tipo é este, o P2, mais tradicional, o senhor só tem que enfiar o pino no buraco redondo.
- He he he! O seu computador é novo ou velho? Se for novo é USB, se for velho é P2.
- Acho que o meu tem uns dois anos. O anterior ainda era com disquete. Lembra do disquete? Quadradinho, preto, fácil de carregar, quase não tinha peso. O meu primeiro computador funcionava com aqueles disquetes do tipo bolacha, grandões e quadrados. Era bem mais simples, não acha?
- Os de hoje nem têm mais entrada para disquete. Ou é CD ou pen drive.
- Que coisa! Bem, não sei o que fazer. Acho melhor perguntar ao meu filho.
- Quem sabe o senhor liga pra ele?
- Bem que eu gostaria, mas meu celular é novo, tem tanta coisa nele que ainda não aprendi a discar.
- Deixa eu ver. Poxa, um Smarthphone! Este é bom mesmo! Tem Bluetooth, woofle, brufle, trifle, banda larga, teclado touchpad, câmera fotográfica, filmadora, radio AM/FM, TV, dá pra mandar e receber e-mail, torpedo direcional, micro-ondas e conexão wireless.
- Micro-ondas? Dá para cozinhar nele?
- Não senhor. Assim o senhor me faz rir. É que ele funciona no sub-padrão, por isso é muito mais rápido.
- E Bluetooth? Estou emocionado. Não entendo como os celulares anteriores não possuíam Bluetooth.
- O senhor sabe para que serve?
- É claro que não.
- É para um celular comunicar com outro, sem fio.
- Que maravilha! Essa é uma grande novidade! Mas os celulares já não se comunicam com os outros sem usar fio? Nunca precisei fio para ligar para outro celular.
Fio em celular, que eu saiba, é apenas para carregar a bateria…
- Não, já vi que o senhor não entende nada, mesmo. Com o Bluetooth o senhor passa os dados do seu celular para outro, sem usar fio. Lista de telefones, por exemplo.
- Ah, e antes precisava fio?
- Não, tinha que trocar o chip.
- Hein? Ah, sim, o chip. E hoje não precisa mais chip…
- Precisa, sim, mas o Bluetooth é bem melhor.
- Legal esse negócio do chip. O meu celular tem chip?
- Momentinho… Deixa eu ver… Sim, tem chip.
- E faço o quê, com o chip?
- Se o senhor quiser trocar de operadora, portabilidade, o senhor sabe.
- Sei, sim, portabilidade, não é?, claro que sei. Não ia saber uma coisa dessas, tão simples? Imagino, então que para ligar tudo isso, no meu celular, depois de fazer um curso de dois meses, eu só preciso clicar nuns duzentos botões…
- Nããão! É tudo muito simples, o senhor logo apreende. Quer ligar para o seu filho? Anote aqui o número dele. Isso. Agora é só teclar, um momentinho, e apertar no botão verde… pronto, está chamando.
Haroldo segura o celular com a ponta dos dedos, temendo ser levado pelos ares, para um outro planeta:
- Oi filhão, é o papai. Sim. Me diz, filho, o seu pen drive é de quantos… Como é mesmo o nome? Ah, obrigado, quantos gigas? Quatro gigas está bom? Ótimo. E tem outra coisa, o que era mesmo? Nossa conexão é USB? É? Que loucura. Então tá, filho, papai está comprando o teu pen drive. De noite eu levo para casa.
- Que idade tem seu filho?
- Vai fazer dez em março.
- Que gracinha…
- É isso moça, vou levar um de quatro gigas, com conexão USB.
- Certo, senhor. Quer para presente?

Mais tarde, no escritório, examinou o pen drive, um minúsculo objeto, menor do que um isqueiro, capaz de gravar filmes? Onde iremos parar? Olha, com receio, para o celular sobre a mesa. ”Máquina infernal”, pensa. Tudo o que ele quer é um telefone, para discar e receber chamadas. E tem, nas mãos, um equipamento sofisticado, tão complexo que ninguém que não seja especialista ou tenha a infelicidade de ter mais de quarenta, saberá compreender.

Em casa, ele entrega o pen drive ao filho e pede para ver como funciona. O garoto insere o aparelho e na tela abre-se uma janela. Em seguida, com o mouse, abre uma página da internet, em inglês. Seleciona umas palavras e um ‘havy metal’ infernal invade o quarto e os ouvidos de Haroldo.
Um outro clique e, quando a música termina, o garoto diz:
- Pronto, pai, baixei a música. Agora eu levo o pen drive para qualquer lugar e onde tiver uma entrada USB eu posso ouvir a música. No meu celular, por exemplo.
- Teu celular tem entrada USB?
- É lógico. O teu também tem.
- É? Quer dizer que eu posso gravar músicas num pen drive e ouvir pelo celular?
- Se o senhor não quiser baixar direto da internet…

Naquela noite, antes de dormir, deu um beijo em Clarinha e disse:
- Sabe que eu tenho Bluetooth?
- Como é que é?
- Bluetooth. Não vai me dizer que não sabe o que é?
- Não enche, Haroldo, deixa eu dormir.
- Meu bem, lembra como era boa a vida, quando telefone era telefone, gravador era gravador, toca-discos tocava discos e a gente só tinha que apertar um botão, para as coisas funcionarem?
- Claro que lembro, Haroldo. Hoje é bem melhor, né? Várias coisas numa só, até Bluetooth você tem.
- E conexão USB também.
- Que ótimo, Haroldo, meus parabéns.
- Clarinha, com tanta tecnologia a gente envelhece cada vez mais rápido. Fico doente de pensar em quanta coisa existe, por aí, que nunca vou usar.
- Ué? Por quê?
- Porque eu recém tinha aprendido a usar computador e celular e tudo o que sei já está superado.
- Por falar nisso temos que trocar nossa televisão.
- Ué? A nossa estragou?
- Não. Mas a nossa não tem HD, tecla SAP, slowmotion e reset.
- Tudo isso?
- Tudo. Boa noite, Haroldo, vai dormir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34

Veraneio no Rio Grande do Sul

por blogdobesnos, em 16.04.12
VERANEIO NO RIO GRANDE DO SUL
Paulo Wainberg
Para conhecimento nacional e reconhecimento regional:

 

Está chegando o verão e com ele o veraneio, como chamamos aqui no Sul. Não sei se vocês, de outros Estados sabem, mas temos o mais fantástico litoral do país: de Torres ao Chuí, uma linha reta, sem enseadas, baías, morros, reentrâncias ou recortes. Nada! Apenas uma linha reta, areia de um lado, o mar do outro. Torres, aliás, é um equívoco geográfico, contrário às nossas raízes farroupilhas e devia estar em Santa Catarina.

Característica nossa, não gostamos de intermediários.

Nosso veraneio consiste em pisar na areia, entrar no mar, sair do mar e pisar na areia. Nada de vistas deslumbrantes, vegetações verdejantes, montanhas e falésias, prainhas paradisíacas e outras frescuras cultivadas aí para cima.

O mar gaúcho não é verde, não é azul, não é turquesa.

É marrom!

Cor de barro iodado, é excelente para a saúde e para a pele! E nossas ondas são constantes, nem pequenas nem gigantes, não servem para pegar jacaré ou furar onda. O solo do nosso mar é escorregadio, irregular, rico em buracos. Quem entra nele tem que se garantir.

Não vou falar em inconvenientes como as estradas engarrafadas, balneários hiper-lotados, supermercados abarrotados, falta de produtos, buzinaços de manhã de tarde e de noite, areia fervendo, crianças berrando, ruas esburacadas, tempestades e pele ardendo, porque protetor solar é coisa de fresco e em praia de gaúcho não tem sombra. Nem nos dias de chuva, quase sempre nos fins-de-semana, provocando o alegre, intermitente, reincidente e recorrente coaxar dos sapos e assustadoras revoadas de mariposas.

Dois ventos predominam, em nosso veraneio: o nordeste – também chamado de nordestão – e o sul, cuja origem é a Antártida.

O nordestão é vento com grife e estilo…. estilo vendaval.

Chega levantando areia fina que bate em nosso corpo como milhões de mosquitos a nos pinicar. Quem entra no mar, ao sair rapidamente se transforma no – como chamamos com bom-humor – veranista à milanesa. A propósito, provoca um fenômeno único no universo, fazendo com que o oceano se coloque em posição diagonal à areia: você entra na água bem aqui e quando sai, está a quase um quilômetro para sul. Essa distância é variável, relativa ao tempo que você permanecer dentro da água.

Outra coisa: nosso mar é pra macho!

Água gelada, vai congelando seus pés e termina nos cabelos. Se você prefere sofrer tudo de uma vez, mergulhe e erga-se, sabendo que nos próximos quinze minutos sua respiração voltará ao normal: é o tempo que leva para recuperar-se do choque térmico..

Noventa por cento do nosso veraneio é agraciado pelo nordestão que, entre outras coisas, promove uma atividade esportiva praiana, inusitada e exclusiva do Sul: Caça ao guardassol. Guardassol, você sabe, é o antigo guarda-sol, espécie de guarda-chuva de lona, colorida de amarelo, verde, vermelho, cores de verão, enfim, cujo cabo tem uma ponta que você enterra na areia e depois senta embaixo, em pequenas cadeiras de alumínio que não agüentam seu peso e se enterram na areia.

Chega o nordestão e… lá se vai o guardassol, voando alegremente pela orla e você correndo atrás. Ganha quem consegue pegá-lo antes de ele se cravar na perna de alguém ou desmanchar o castelo de areia que, há três horas, você está construindo com seu filho de cinco anos.

O vento sul, por sua vez, é menos espalhafatoso. Se você for para a praia de sobretudo, cachecol e meias de lã, mal perceberá que ele está soprando. É o vento ideal para se comprar milho verde e deixar a água fervente escorrer em suas mãos, para aquecê-las. Raramente, mas acontece, somos brindados com o vento leste, aquele que vem diretamente do mar para a terra. Aqui no Sul, chamamos o vento leste de ‘vento cultural’, porque quando ele sopra, apreendemos cientificamente como se sentem os camarões cozinhados ao bafo.

E, em todos os veraneios, acontece aquele dia perfeito: nenhum vento, mar tranquilo e transparente, o comentário geral é: “foi um dia de Santa Catarina, de Maceió, de Salvador” e outras bichices. Esse dia perfeito quase sempre acontece no meio da semana, quando quase ninguém está lá para aproveitar. Mas fala-se dele pelo resto do veraneio, pelo resto do ano, até o próximo verão. Morram de inveja, esta é outra das coisas de gaúcho!

Atenta a essas questões, nossa indústria da construção civil, conhecida mundialmente por suas soluções criativas e inéditas, inventou um sistema maravilhoso que nos permite veranear no litoral a uma distância não inferior a quinhentos metros da areia e, na maioria dos casos, jamais ver o mar: os famosos condomínios fechados.

A coisa funciona assim: a construtora adquire uma imensa área de terra (areia), em geral a preço barato porque fica longe do mar, cerca tudo com um muro e, mal começa a primavera, gasta milhares de reais em anúncios na mídia, comunicando que, finalmente agora você tem ao seu dispor o melhor estilo de veranear na praia: longe dela. Oferece terrenos de ponta a ponta, quanto mais longe da praia, mais caro é o terreno. Você vai lá e compra um.

Enquanto isso a construtora urbaniza o lugar: faz ruas, obras de saneamento, hidráulica, elétrica, salão de festas comunitário, piscina comunitária com águas térmicas, jardins e até lagos e lagoas artificiais onde coloca peixes para você pescar. Sem falar no ginásio de esportes, quadras de tênis, futebol, futebol-sete, se o lago for grande, uma lancha e um professor para você esquiar na água e todos os demais confortos de um condomínio fechado de Porto Alegre, além de um sistema de segurança quase, repito, quase invulnerável.

Feliz proprietário de um terreno, você agora tem que construir sua casa, obedecendo é claro ao plano-diretor do condomínio que abrange desde a altura do imóvel até o seu estilo. O que fazemos nós, gaúchos, diante dessa fabulosa novidade? Aderimos, é claro.

Construímos as nossas casas que, de modo algum, podem ser inferiores às dos vizinhos, colocamos piscinas térmicas nos nossos terrenos para não precisar usar a comunitária, mobiliamos e equipamos a casa com o que tem de melhor, sobretudo na questão da tecnologia: internet, TV à cabo, plasma ou LCD, linhas telefônicas, enfim, veraneamos no litoral como se não tivéssemos saído da nossa casa na cidade.

Nossos veraneios costumam começar aí pela metade de janeiro e terminar aí pela metade de fevereiro, depende de quando cai o Carnaval. Somos um povo trabalhador, não costumamos ficar parados nas nossas praias.

Vamos para lá nas sextas-feiras de tarde e voltamos de lá nos domingos à noite. Quase todos na mesma hora, ida e volta. É assim que, na sexta-feira, pelas quatro ou cinco da tarde, entramos no engarrafamento. Chegamos ao nosso condomínio lá pelas nove ou dez da noite. Usufruímos nosso novo estilo de veranear no sábado – manhã, tarde e noite – e no domingo, quando fechamos a casa.

Adoramos o trabalhão que dá para abrir, arrumar e prover a casa na sexta de noite, e o mesmo trabalhão que dá no domingo de noite. E nem vou contar quando, ao chegarmos, a geladeira estragou, o sistema elétrico pifou ou a empregada contratada para o fim-de-semana não veio. Temos, aqui no Sul, uma expressão regional que vou revelar ao resto do mundo:

- Graças a Deus que terminou esta bosta de veraneio!

 

E-mail recebido. Concordo e faço fé. Hilton.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:31

Se o Maradona fosse técnico

por blogdobesnos, em 16.04.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28

Os latifúndios de idéias, do blog Outras Palavras

por blogdobesnos, em 16.04.12

APR +! Os latifúndios de idéias/Outras palavras

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

 

Fonte do artigo: OUTRAS PALAVRAS

http://www.outraspalavras.net/2010/11/05/apropriacao-indebita/comment-page-1/#comment-1845

 

 

OS LATIFÚNDIOS DE IDÉIAS

 

Por Ladislau Dowbor


A concentração de renda e a destruição ambiental continuam sendo os nossos grandes desafios. São facetas diferentes da mesma dinâmica: na prática, estamos destruindo o planeta para a satisfação consumista de uma minoria, e deixando de atender os problemas realmente centrais. Como explicar que, com tantas tecnologias, produtividade e modernidade, estejamos reproduzindo o atraso? Em particular, como a sociedade do conhecimento pode se transformar em vetor de desigualdade?

O prêmio Nobel Kenneth Arrow considera que os autores de “Apropriação indébita: como os ricos estão tomando a nossa herança comum”, Gar Alperovitz e Lew Daly, “se baseiam em fontes impecáveis e as usam com maestria. Todo mundo irá aprender ao ler este livro”. Eu, que não sou nenhum prêmio Nobel, venho aqui contribuir com a minha modesta recomendação, transformando o meu prefácio em instrumento de divulgação. Mania de professor, querer comunicar o entusiasmo de boas leituras. E recomendação a não economistas: os autores deste livro têm suficiente inteligência para não precisar se esconder atrás de equações. A leitura flui.

A quem vai o fruto do nosso trabalho, e em que proporções? É a eterna questão do controle dos nossos processos produtivos. Na era da economia rural, os ricos se apropriavam do fruto do trabalho social, por serem donos da terra. Na era industrial, por serem donos da fábrica. E na era da economia do conhecimento, a propriedade intelectual se apresenta como a grande avenida de acesso a uma posição privilegiada na sociedade. Mas para isso, é preciso restringir o acesso generalizado ao conhecimento, pois se todos tiverem acesso, como se cobrará o pedágio, como se assegurará a vantagem de minorias?

Um argumento chave desta discussão, é naturalmente a legitimidade da posse. De quem é a terra, que permitia as fortunas e o lazer agradável dos senhores feudais? Apropriação na base da força, sem dúvida, legitimada em seguida por uma estrutura de heranças familiares. Uma vez aceito, o sistema funciona, pois na parte de cima da sociedade forma-se uma aliança natural ditada por interesses comuns.

Na fase industrial, um empresário pega um empréstimo no banco – e para isso ele já deve pertencer a um grupo social privilegiado – e monta uma empresa. Da venda dos produtos, e pagando baixos salários, tanto auferirá lucros pessoal como restituirá o empréstimo ao banco. De onde o banco tirou o dinheiro? Da poupança social, sob forma de depósitos, poupança esta que será transformada na fábrica do empresário. Aqui também, vale a solidariedade dos proprietários de meios de produção, e o resultado de um esforço que é social será em boa parte apropriado por uma minoria.

Mudam os sistemas, evoluem as tecnologias, mas não muda o esquema. Na fase atual, da economia do conhecimento, coloca-se o espinhoso problema da legitimidade da posse do conhecimento. A mudança é radical, relativamente aos sistemas anteriores: a terra pertence a um ou a outro, as máquinas têm proprietário, são bens “rivais”. No caso do conhecimento, trata-se de um bem cujo consumo não reduz o estoque. Se transmitimos o conhecimento a alguém, continuamos com ele, não perdemos nada, e como o conhecimento transmitido gera novos conhecimentos, todos ganham. A tendência para a livre circulação do conhecimento para o bem de todos torna-se portanto poderosa.

A apropriação privada de um produto social deve ser justificada. O aporte principal de Alperovitz e de Daly, neste pequeno estudo, é de deixar claro o mecanismo de uma apropriação injusta – Unjust Deserts – que poderíamos explicitar com a expressão mais corrente de apropriação indébita. Ao tornar transparentes estes mecanismos, os autores na realidade estão elaborando uma teoria do valor da economia do conhecimento. A força explicativa do que acontece na sociedade moderna, com isto, torna-se poderosa.

Para dar um exemplo trazido pelo autor, quando a Monsanto adquire controle exclusivo sobre determinada semente, como se a inovação tecnológica fosse um aporte apenas dela, esquece o processo que sustentou estes avanços. “O que eles nunca levam em consideração, é o imenso investimento coletivo que carregou a ciência genética dos seus primeiros passos até o momento em que a empresa toma a sua decisão. Todo o conhecimento biológico, estatístico e de outras áreas sem o qual nenhuma das sementes altamente produtivas e resistentes a doenças poderia ter sido desenvolvida – todas as publicações, pesquisas, educação, treinamento e ferramentas técnicas relacionadas sem os quais a aprendizagem e o conhecimento não poderiam ter sido comunicados e fomentados em cada estágio particular de desenvolvimento, e então passados adiante e incorporados, também, por uma força de trabalho de técnicos e cientistas – tudo isto chega à empresa sem custo, um presente do passado” (55) Ao apropriar-se do direito sobre o produto final, e ao travar desenvolvimentos paralelos, a empresa canaliza para si gigantescos lucros da totalidade do esforço social, que ela não teve de financiar. Trata-se de um pedágio sobre o esforço dos outros. Unjust Deserts.

Se não é legítimo, pelo menos funciona? A compreensão do caráter particular do conhecimento como fator de produção já é antiga. Uma jóia a este respeito é um texto, de 1813, de Thomas Jefferson: “Se há uma coisa que a natureza fez que é menos suscetível que todas as outras de propriedade exclusiva, esta coisa é a ação do poder de pensamento que chamamos de idéia….Que as idéias devam se expandir livremente de uma pessoa para outra, por todo o globo, para a instrução moral e mútua do homem, e o avanço de sua condição, parece ter sido particularmente e benevolente desenhada pela natureza, quando ela as tornou, como o fogo, passíveis de expansão por todo o espaço, sem reduzir a sua densidade em nenhum ponto, e como o ar no qual respiramos, nos movemos e existimos fisicamente, incapazes de confinamento, ou de apropriação exclusiva. Invenções não podem, por natureza, ser objeto de propriedade.”1

O conhecimento não constitui uma propriedade no mesmo sentido que a de um bem físico. A caneta é minha, faço dela o que quiser. O conhecimento, na medida em que resulta de um esforço social muito amplo, e constitui um bem não rival, obedece a outra lógica, e por isto não é assegurado em permanência, e sim por vinte anos, por exemplo, no caso das patentes, ou quase um século no caso dos copyrights, mas sempre por tempo limitado: a propriedade é assegurada por sua função social – estimular as pessoas a inventarem ou a escreverem – e não por ser um direito natural.

O merecimento é para todos nós um argumento central. Segundo as palavras dos autores, “nada é mais profundamente ancorado em pessoas comuns do que a idéia de que uma pessoa tem direito ao que criou ou ao que os seus esforços produziram”.(96) Mas na realidade, não são propriamente os criadores que são remunerados, e sim os intermediários jurídicos, financeiros e de comunicação comercial que se apropriam do resultado da criatividade, trancando-o em contratos de exclusividade, e fazem fortunas de merecimento duvidoso. Não é a criatividade que é remunerada, e sim a apropriação dos resultados: “Se muito do que temos nos chegou como um presente gratuito de muitas gerações de contribuições históricas, há uma questão profunda relativamente a quanto uma pessoa possa dizer que “ganhou merecidamente” no processo, agora ou no futuro.”(97)

As pessoas em geral não se dão conta das limitações. Hoje 95% do milho plantado nos EUA é de uma única variedade, com desaparecimento da diversidade genética, e as ameaças para o futuro são imensas. Teremos livre acesso às obras de Paulo Freire apenas a partir de 2050, 90 anos depois da morte do autor. O livre acesso às composições de Heitor Villalobos será a partir de 2034. Isto está ajudando a criatividade de quem? Patentes de 20 anos há meio século atrás podiam parecer razoáveis, mas com o ritmo de inovação atual, que sentido fazem? Já são 25 milhões de pessoas que morreram de Aids, e as empresas farmacêuticas (o Big Pharma) proíbem os países afetados de produzir o coquetel, são donas de intermináveis patentes. Ou seja, há um imenso enriquecimento no topo da pirâmide, baseado não no que estas pessoas aportaram, mas no fato de se apropriarem de um acúmulo historicamente construído durante sucessivas gerações.

Nesta era em que a concentração planetária da riqueza social em poucas mãos está se tornando insustentável, entender o mecanismo de geração e de apropriação desta riqueza é fundamental. Os autores não são nada extremistas, mas defendem que o acesso aos resultados dos esforços produtivos devam ser minimamente proporcionais aos aportes. “A fonte de longe a mais importante da prosperidade moderna é a riqueza social sob forma de conhecimento acumulado e de tecnologia herdada”, o que significa que “uma porção substantiva da presente riqueza e renda deveria ser realocada para todos os membros da sociedade de forma igualitária, ou no mínimo, no sentido de promover maior igualdade”.(153)

Um livro curto, muito bem escrito, e sobretudo uma preciosidade teórica, explicitando de maneira clara a deformação generalizada do mecanismo de remuneração, ou de recompensas, que o nosso sistema econômico gerou. Trata-se aqui de um dos melhores livros de economia que já passaram por minhas mãos. Bem documentado mas sempre claro na exposição, fortemente apoiado em termos teóricos, na realidade o livro abre a porta para o que podemos qualificar de teoria do valor, mas não da produção industrial, e sim da economia do conhecimento, o que Daniel Bell qualificou de “knowledge theory of value”. A Editora Senac tomou uma excelente iniciativa ao traduzir e publicar este livro. Vale a pena. (www.editorasenacsp.com.br )

Ladislau Dowbor, professor de economia e administração da PUC-SP, é autor deDemocracia Econômica e de Da propriedade Intelectual à Sociedade do Conhecimento, disponíveis em http://dowbor.org

1 Citado por Lawrence Lessig, The Future of Ideas: the Fate of the Commons in an Connected World – Random House, New York, 2001, p. 94

 

BLOG DO BESNOS comentário ao post

Um dia tudo isso vai explodir. Literalmente, Estamos absolutamente cansados de sabermos o que temos de fazer, e o conhecimento cada vez mais aberto em rede nos proporciona a exata dimensão do que podemos nos permitir e do que não podemos nos permitir. Continuamos à merce de interesses especulativos, danosos e intoleráveis do ponto de vista social, cultural e econômico.

Mais um pouco e teremos a volta dos suseranos.

O conhecimento é um aporte de lucidez, desde que seja utilizado de modo lúcido e construtivo o que infelizmente não acontece. Parabéns ao articulista. Solicito permissão para publicar em meu blog, que convido a ser lido (BLOG DO BESNOS, digitar no Google). Evidentemente que respeitarei a fonte.

Grato pela lucidez, um abraço sincero.

hILTON BESNOS.

ADM

Warning: array_keys() [function.array-keys]: The first argument should be an array in /home/rede_outras/rede.outraspalavras.net/wp-content/plugins/universal-post-manager/functions.php on line 1568

Pode reproduzir todos os textos publicados aqui, será um prazer te-los publicados em outros blogs, só pedimos que passe a referencia do portal. Abraços

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:48

Quando o indeciso decide

por blogdobesnos, em 16.04.12

+!Quando o indeciso decide

Rate This

 

Indecisão (indecision) por A. Sarmento

Fonte: http://www.flickr.com/search/?q=indecis%C3%A3o&page=3

 

 

Uma das ameaças frequentes ao processo democrático é a não-voz das diversas opções que compõem o campo político. A questão das pesquisas e do tempo, seja midiático (e tudo ou quase tudo é midiático), seja o disposto pela legislação eleitoral, acaba por erodir o campo político, de modo que há uma redução forçada à polarização. É o momento em que a amplitude do campo político é amalgamada pela necessidade da venda de um produto político. As facções, então submetidas a um falso bipartidarismo, se voltam, especialmente à descredenciar e criticizar praticamente todas as posições e pensamentos que acodem ou particularizam a outra parte.  Logo, se uma parte advoga o continuísmo, a outra tenderá a pautar seu discurso pela via da renovação política, e assim por diante. Assim, importa bem mais o espetáculo recorrente midiático e a exploração da imagem do que o programa político ao qual o candidato se filia. Somente há consenso quando entremeia tais discursos um caráter conservador muito claro. É o que ocorreu, nas eleições para presidência da república, no que se referiu ao tema aborto. Traduzido como saia justa, valeram mais os malabarismos verbais do que uma posição clara em relação ao tema. Há outros focos assim, que passam deliberadamente ao largo da discussão do campo político. Normalmente temas sensíveis e nos quais ainda não existe um paradigma seguro a ser trilhado eficiente e efetivamente pelos bipartidários em ação.

Houvesse oportunidades reais para todo o campo político se expressar, encontraríamos, por igual, a possiblidade mais concreta de uma discussão mais intensa a respeito, por exemplo, do aborto, do racismo, da homofobia, do casamento entre os homoafetivos, enfim, de temos que são sensíveis e não são discutidos por que tais campos se esvaíram dentro de um ralo comum que depende da performance pessoal do candidato e do tempo que lhe é disposto (além dos recursos financeiros, por óbvio). De outra banda, candidatos procuram evitar campos sensíveis de discussão política, seja por estarem à caça dos votos dos indecisos, seja por não estar disposto a esgarçar sua imagem ante um eleitorado, parte cativo, parte incógnito.

É claro que se um atribuir algo positivo a “a”, outro aí verá um valor a ser combativo. No entanto, questões ainda não tarifadas pelo conservadorismo social, são deixadas, como se quer aqui no sul “a lo largo”.

Buenos Aires, 9 de janeiro de 2011.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:33

Que 2011 seja um novo ano novo!

por blogdobesnos, em 16.04.12

CPT +! Que 2011 seja um novo ano novo!

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

O único Hotel que fica sempre lotado no Ano Novo por Anna L. Fischer

Fonte: http://www.flickr.com/search/?q=ano+novo&z=e&page=2

 

 

Às vezes a passagem do ano vira clínica: iremos, finalmente, procurar o psicólogo, a psiquiatra, faremos o nosso tão temido exame de próstata, faremos uma lipoaspiração, colocaremos botox, malharemos, teremos não mais que dez por cento do nosso peso corporal transformado em gordura, começaremos um regime rigoroso e check ups serão realizados com a regularidade e com a disciplina de um monge. Às vezes a passagem do ano vira esporte, academia, e então faremos pilates, caminhadas, alongamentos, bike, ball alongamento, experimentaremos swásthya yôga, mesmo jump não está descartado. Às vezes o ano novo vira esporte coletivo, e dê-lhe futebol, volei, basquete, et caterva, ou, quem sabe, tenis, natação, alguns esportes mais individuais. De todo modo, uma coisa é definitiva: na passagem do ano pensamos em nós. Desejamos que a vida do outro seja melhor, e, assim como a passagem do tempo, pretendemos que, por algum desígnio isso se concetize. Nunca ficamos tão exotéricos, tão midiáticos quanto na passagem do ano, não importa de que ano, não importa que idade se tenha. Os desejos de final de ano são sempre individuais, com as devidas concessões às famílias de nossos queridos amigos, parentes, e assim por diante.

Poucas vezes, contudo, pensamos que um objetivo sem plano é apenas desejo. Se esquecemos disso, esquecemos mais ainda de que, como disse com enorme sabedoria minha querida e agora aposentada colega e amiga Ana O., o presente é o futuro de ontem. Sempre pensamos para o que virá, mas poucas vezes nos detemos a imaginar o hoje como o projeto de ontem. Dentro do mundo pontilhista, anárquico, consumista em que vivemos, me vem à mente que talvez um bom projeto para o ano seria nos apoiarmos em três eixos: conhecimento, ética e compartilhamento. Nossos projetos individuais poderiam, assim, ser infinitamente melhores se o outro fizesse parte dele. Se víssemos na palavra parceria um pouco mais que uma proparoxítona, já teríamos algo mais interessante para pensar e tentar organizar. Se abandonássemos um pouco, não muito, só um pouco, nossa compulsão a vaidade irrefletida, já teríamos um ponto de partida, uma referencia para melhorarmos não só o nosso mundo, como o mundo de todos. Isso requer bem mais que projetos individuais. Temos de tentar projetar nossas ações como em rede, onde há uma partilha, uma co-participação do outro, daquele mesmo outro que, inúmeras vezes ignoramos ou fingimos ignorar.

Talvez esse seja o principal projeto do ano novo: usar o nosso conhecimento, a nossa ética e o nosso sentido de compartilhamente como se fosse uma bandeira a ser empunhada. Realmente nos importarmos e nos envolvermos com algo maior do que implantar botox ou silicone ou praticar pilates. Não que isso não tenha sua relevãncia, e, afinal, ter uma consciência dentro de um mundo midiaticamente espetaculoso não é tarefa fácil. De todo modo, não vou fugir à regra: um bom ano novo, e, especialmente, um novo ano novo. Não apenas quantitativo, mas qualitativo, portanto, realmente um novo ano novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:31

Comentários estúpidos

por blogdobesnos, em 16.04.12

CPT +!Comentários estúpidos

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

17 de mayo, Día Mundial contra la Homofobia por angel.fernandezmillan

Fonte: http://www.flickr.com/search/?q=HOMOFOBIA&z=e&page=3

 

 

Pois na noite de 23 de dezembro, quando o Papai Noel devia estar over the rainbow, flanando por aí, entre nuvens e neves, estava eu no Super Nacional, aqui perto de casa. A vontade de beber uma água mineral com gás – que eu adoro e que los hermanos chamam de soda -  me levou ao corredor exato quando ouvi o edificante diálogo a seguir, travado entre um senhor maduro e uma mulher a quem ele chamava de tia.

ABRIR O DIÁLOGO.

Ela: … então o que tu achas?

Ele: Ah, eu penso que homem que é homem tem que se casar, porque macho tem que constituir família.

Ela: é, mas eu não faço questão que o meu (vamos inventar um nome) Arnaldo se case, só depois que ele tiver acabado a faculdade.

Ele: É tia, mas e aí, …. afinal, ele pode levar no mínimo quatro ou cinco anos…já te disse… homem é pra casar e fazer família, senão….

Ela: ah, nem pensa nisso (falando mais baixo)… e essa coisa de parada gay, hem….

Ele: olha, eu respeito que um homem beije outro porque é pai e filho, até por uma questão de respeito mesmo ou de agradecimento, mas essa coisa de homem ficar beijando outro na boca… pra mim, tia, é pegar os dois, botar num moirão e dar no mínimo umas cinquenta chibatadas em cada um.

Ela: pois lá no meu edifício tem um casal… mas eles são tão educadinhos, não se ouve nem uma fala mais alta…

Ele: pois é, esse ano eu fui na parada gay, mas fiquei um pouco só e fiquei enojado.

FECHAR O DIÁLOGO.

É impressionante que eu ainda tenha de ouvir tamanhas estultícies bem próximo à minha casa, em uma cidade como Porto Alegre, que se orgulha de sua cidadania e de suas contribuições democráticas. Talvez o melhor lugar para conhecermos as pessoas seja justamente aí, nos supermercados, nos onibus, nos pontos de táxi, nos trechos de conversa que apreendemos aqui e ali, na escola, o que ouço de colegas meus e de alunos, aí é que se encontra aquilo que é tão evidentemente mediano. A palavra mediocritas vem do latim e significa medida do meio e não “medíocre”, no sentido negativo que colocamos em seu significado. No entanto, para alguns, até medíocre é pouco. Afinal, a discriminação étnica, religiosa, econômica, sexual, et caterva está sempre no leit motiv das violências sociais. Por isso, talvez a palavra mais correta para esse tipo de comentário vulgar mas com interesse e endereço certos seja criminosoHomofóbico é muito politicamente correto para o meu gosto.

Ah, sim: Merry Xmas and happy new year.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:27

O professor de literatura na Praça Celestial

por blogdobesnos, em 16.04.12

PHO +! O professor de literatura na Praça Celestial

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Protesto_na_Pra%C3%A7a_da_Paz_Celestial_em_1989

http://cafehistoria.ning.com/

 

 

Protesto na Praça da Paz Celestial (Tian’anmen) em 1989, mais conhecido como Massacre da Praça da Paz Celestial, … consistiu em uma série de manifestações lideradas por estudantes na República Popular da China, que ocorreram entre os dias 15 de abril e 4 de junho de 1989. O protesto recebeu o nome do lugar em que o Exército Popular de Libertação suprimiu a mobilização: apraça Tiananmen, em Pequimcapital do país. Os manifestantes (em torno de cem mil) eram oriundos de diferentes grupos, desde intelectuais que acreditavam que o governo do Partido Comunista era demasiado repressivo e corrupto, a trabalhadores da cidade, que acreditavam que as reformas econômicas na China haviam sido lentas e que a inflação e o desemprego estavam dificultando suas vidas. O acontecimento que iniciou os protestos foi o falecimento de Hu Yaobang. Os protestos consistiam em marchas (caminhadas) pacíficas nas ruas de Pequim.

Devido aos protestos e às ordens do governo pedindo o encerramento dos mesmos, se produziu no Partido Comunista uma divisão de critérios (opiniões) sobre como se deveria responder aos manifestantes. A decisão tomada foi suprimir os protestos pela força, no lugar de atenderem suas reivindicações. Em 20 de maio, o governo declarou a lei marcial e, na noite de 3 de junho, enviou os tanques e a infantaria do exército à praça de Tiananmen para dissolver o protesto. As estimativas das mortes civis variam: 400 a 800 (segundo o jornal estadunidenseThe New York Times[1]), 2 600 (segundo informações da Cruz Vermelha chinesa[2][3]) e sete mil (segundo os manifestantes[carece de fontes?]). O número de feridos é estimado em torno de sete mil e dez mil, da acordo com a Cruz Vermelha[3]. Diante da violência, o governo empreendeu um grande número dearrestos para suprimir os líderes do movimento, expulsou a imprensa estrangeira e controlou completamente a cobertura dos acontecimentos na imprensa chinesa. A repressão do protesto pelo governo da República Popular da China foi condenada pela comunidade internacional.

No dia 4 ocorreu a cena mais conhecida dos eventos: foi tirada a fotografia vencedora do World Press Photo de 1989, na qual é mostrada Chen Yat-Sen (1931-1998), um professor de Literatura parado no meio de uma avenida detendo a fileira de tanques que circulava por ela, em frente à porta da Cidade Proibida, até ser puxado o professor impediu que os tanques avançassem entrando em sua frente, em uma das cenas mais espantosas ele deita em frente ao tanque e o soldado tenta contornar, Chen levanta-se e novamente entra em frente ao tanque. Ainda, sua foto, estampou manchetes mundo afora e ganhou o Prêmio Pulitzer em 1990, esta foto mostrou a um bilhão de chineses que ainda havia esperança.
http://cafehistoria.ning.com/video/prote…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:12

Para você estar passando adiante

por blogdobesnos, em 16.04.12

CPT +! Para você estar passando adiante

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

Para você estar passando adiante

Ricardo Freire

Este artigo foi feito especialmente para que você possa estar recortando e possa estar deixando discretamente sobre a mesa de alguém que não consiga estar falando sem estar espalhando essa praga terrível da comunicação moderna, o gerundismo. Você pode também estar passando por fax, estar mandando pelo correio ou estar enviando pela internet.

O importante é estar garantindo que a pessoa em questão vá estar recebendo esta mensagem, de modo que ela possa estar lendo e, quem sabe, consiga até mesmo estar se dando conta da maneira como tudo o que ela costuma estar falando deve estar soando nos ouvidos de quem precisa estar escutando.

Sinta-se livre para estar fazendo tantas cópias quantas você vá estar achando necessárias, de modo a estar atingindo o maior número de pessoas infectadas por esta epidemia de transmissão oral.

Mais do que estar repreendendo ou estar caçoando, o objetivo deste movimento é estar fazendo com que esteja caindo a ficha das pessoas que costumam estar falando desse jeito sem estar percebendo.

Nós temos que estar nos unindo para estar mostrando a nossos interlocutores que, sim, pode estar existindo uma maneira de estar aprendendo a estar parando de estar falando desse jeito. Até porque, caso contrário, todos nós vamos estar sendo obrigados a estar emigrando para algum lugar onde não vão estar nos obrigando a estar ouvindo frases assim o dia inteirinho. Sinceramente: nossa paciência está ficando a ponto de estar estourando.

O próximo “Eu vou estar transferindo a sua ligação” que eu vá estar ouvindo pode estar provocando alguma reação violenta da minha parte. Eu não vou estar me responsabilizando pelos meus atos.

As pessoas precisam estar entendendo a maneira como esse vício maldito conseguiu estar entrando na linguagem do dia a dia.

Tudo começou a estar acontecendo quando alguém precisou estar traduzindo manuais de atendimento por telemarketing. Daí a estar pensando que “We’ll be sending it tomorrow” possa estar tendo o mesmo significado que “Nós vamos estar mandando isso amanhã” acabou por estar sendo só um passo.

Pouco a pouco a coisa deixou de estar acontecendo apenas no âmbito dos atendentes de telemarketing para estar ganhando os escritórios. Todo mundo passou a estar marcando reuniões, a estar considerando pedidos e a estar retornando ligações. A gravidade da situação só começou a estar se evidenciando quando o diálogo mais coloquial demonstrou estar sendo invadido inapelavelmente pelo gerundismo.

A primeira pessoa que inventou de estar falando “Eu vou tá pensando no seu caso” sem querer acabou por estar escancarando uma porta para essa infelicidade linguística estar se instalando nas ruas e estar entrando em nossas vidas. Você certamente já deve ter estado estando a estar ouvindo coisas como “O que cê vai tá fazendo domingo?” ou “Quando que cê vai tá viajando pra praia?”, ou “Me espera, que eu vou tá te ligando assim que eu chegar em casa”.

Deus, o que a gente pode tá fazendo pra que as pessoas tejam entendendo o que esse negócio pode tá provocando no cérebro das novas gerações?

A única solução vai estar sendo submeter o gerundismo à mesma campanha de desmoralização à qual precisaram estar sendo expostos seus coleguinhas contagiosos, como o “a nível de”, o “enquanto”, o “pra se ter uma idéia” e outros menos votados.

A nível de linguagem, enquanto pessoa, o que você acha de tá insistindo em tá falando desse jeito?

Nota do Editor Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na coluna Xongas, no Jornal da Tarde, em 16 de fevereiro de 2001 e posteriormente incluído no livro As cem melhores crônicas brasileiras. Leia também “Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas” e Entrevista com Ricardo Freire. Fonte: http://www.digestivocultural.com/ensaios/ensaio.asp?codigo=298&titulo=Para_voce_estar_passando_adiante

 

Observação: o artigo acima foi publicado no Digestivo Cultural.

 


Enviei o seguinte comentário:

Inicialmente, vou estar comentando o que estive lendo acima. Estamos considerando uma genialidade o autor estar podendo colocar de modo simples mas extremamente competente o que todos pensamos a respeito do malfadado gerundismo. Assim, estamos pensando no que traduções mal feitas podem estar causando quanto ao uso da língua e, especialmente, quanto à nossa já tão fatigada paciência. Na oportunidade, estamos mandando um fraternal abraço. Sem gerúndios.

 

Hilton Besnos em 23/3/2009 às 13h25. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:55

Mazembro 2 x Inter 0

por blogdobesnos, em 16.04.12

GOL +! Mazembe 2 x Inter 0 – Le Mondial cést fini

 
 
 
 
 
 
Rate This

 

Foto: http://placar.abril.com.br/futebol-internacional/mundial-de-clubes/mazembe/galeria-de-fotos/inter-perde-para-o-mazembe.html

Pois ontem o Inter perdeu para o TP Mazembe do Congo, por 2 a 0, sendo eliminado do Campeonato Mundial de Clubes FIFA. Há muito a falar sobre o jogo, mas talvez haja bem mais a falar em relação às circunstâncias que cercaram o jogo.

1 – Do TP Mazembe

A imprensa gaúcha, ao tratar do time africano, o tratou, preferentemente, com uma soberba irritante. Parecia que seria mais do que suficiente o Inter entrar em campo que – presto! – a vitória se daria. Alguns falavam em goleada. Ficou patente o desconhecimento e a falta de informação sobre o clube africano – o que se tornou patético e frustrante. Se o TP Mazembe era desconhecido ao grande público, assim continuou até o momento em que desclassificou por dois gols a zero o Internacional. 

Ora, informações básicas que poderiam ser passadas pela nossa esclarecidaimprensa sobre o Tout Puissant Mazembe  não foram prestadas.  A impressão que o grande púiblico tinha era a de que o Inter iria jogar contra um time de amadores.  A Wikipedia informa que o time congolês acumula os seguintes títulos: campeonatos congoleses (nacionais) nos anos de 1966, 1967, 1969, 1976, 1987, 2000, 2001, 2006, 2007 e 2009. Copa do Congo em 1966, 1967, 1976, 1979 e 2000. Títulos da Confederação Africana (continentais) Liga dos Campeões 1967, 1968, 2009 e 2010 (bicampeonato em sequencia) e Supertaça Africana em 1980.  Ora, esse currículo não é exatamente o possível para um time de amadores.

O TP Mazembe já tinha disputado um Mundial de Clubes da FIFA em 2009, onde não conseguiu nenhuma vitória, tendo perdido para o Pohang Steelers por 2 a 1 e para o Auckland City por 3 a 2, ficando em 6º lugar.  Portanto, 2010 foi a segunda participação em um mundial, eliminando o Internacional e levando o primeiro time da África a disputar uma final contra a Internazionale italiana.  Enquanto isso acontecia, a imprensa gaúcha tratava o time africano como uma coisa um pouco acima da nulidade completa. Termos como “o desconhecido Mazembe” e assim por diante eram o comum.

Tínhamos assim um espírito antecipado de vitória.

Se é verdade que o futebol africano não é tudo o que é o europeu e o latino-americano, também seria bem mais do que admissível dizer que não seria uma partida fácil. Afinal, o Mazembe já tinha executado, com pompas e honras, o Pachuca Club de Futbol do Mexico, que detem uma copa sul americana, em 2006, quatro títulos da liga dos campeões da CONCACAF, 2002, 2007, 2009, 2010, uma Superliga em 2007 e, no campeonato mexicano o título correspondente ao inverno de 1999, inverno de 2001, apertura de 2003, clausura de 2006 e clausura de 2007, além de um 4º lugar no Mundial de Clubes da FIFA em 2008, um 6º lugar em 2007, um vice campeonato na recopa sul-americana de 2007, um quarto lugar na Superliga de 2008 e um vice na Interliga em 2009.

Bastava ter observado que, segundo os esclarecidos em futebol, o campeão africano já tinha eliminado o representante do México (que possui uma maior participação em eventos internacionais de peso, como a Copa do Mundo) para ter maior atenção ao TP Mazembe. Porém tudo continuou como antes no quartel de Abrantes. Muito blá blá blá mas uma atenção efetiva… nada.

2 – Do jogo

Foi aquilo que o mundo inteiro viu. Inter perdendo gols, Roth esmurrando o ar a cada nova oportunidade desperdiçada  e os africanos se fazendo de mortos. Duas oportunidades e – pimba! – dois a zero. Enquanto isso, o Tinga perdia um gol, o Alecsandro perdia um gol, o Sóbis perdia um gol, o Juliano perdia um gol, fora outras oportunidades aqui e ali. O tempo passando,  de repente a defesa do Inter deixa um jogador do Mazembe dominar a bola aos 9 do segundo tempo e bater, livre, livre como um pássaro. Um a zero, com o Renan tentando um golpe de vista que não funcionou. Já no final do segundo tempo, Renan resolve repetir a falha que tinha tido contra o Palmeiras no campeonato brasileiro. Chute de fora da área, no canto direito, absolutamente defensável. No fundo no fundo acho que o Abbondanzieri não deve ter ficado tão triste assim. Mais um pouco, o jogo termina e o Internacional kaputt.

Deu pra ti, baixo astral, vou prá Porto Alegre e tchau.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:52

O meu avô

por blogdobesnos, em 16.04.12

Há textos, palavras, frases e significados que conduzem uma alma em si. Alma que nos acarinha de modo tão tépido que nos coloca em contato amoroso conosco mesmo e, além daí, com as nossas origens, com as nossas histórias, com passagens de vida, com nossas recordações. Descobrimos, com o passar do tempo, uma beleza tão grande que nada mais nos resta do que chorar um choro de libertação, de intensa emoção. Foi essa emoção toda que meu filho Gabriel me proporcionou, de modo tão lindo e tão especial em escrever, no Blog da Bistro,  O Meu Avô.

Simplesmente me emociono muito a cada vez que o leio, porque o que está ali é um dos pedaços mais amoráveis e mais queridos da minha vida.  

Resolvi então trazer para que todos o conheçam. Inesquecível, belo, extremamente humano.

Filho, que Deus te abençoe.

 

 

Fonte: http://blogdabistro.com/

O meu avô

dezembro 3rd, 2010 by Agência Bistrô

Por Gabriel Besnos, diretor de criação da Agência Bistrô

Eu não conheci o meu avô. Quando penso nele, me vêm à cabeça as características que meu pai sempre lhe atribuiu, orgulhosamente: que era alto, bonito, campeão estadual de bocha, amante de música brasileira, sócio fundador do clube Ypiranga, ali na Princesa Isabel. Chamava-se Israel Besnos. Mas, acima de tudo, o que eu sei de meu avô é que ele era um ardoroso colorado.

Meu pai tem inúmeras histórias dos dois juntos, e já me contou todas elas mais de uma vez. Me falou de como eles ficavam cantando as músicas do Orlando Silva até tarde da noite, e de como o vô Israel era uma companhia que todos queriam por perto. Já narrou com riqueza de detalhes impressionante as aventuras dos dois com o Internacional. Os momentos difíceis do time na década de 60, meu pai criança ainda, pequeno torcedor em formação. Eles foram juntos ao jogo de despedida do estádio dos Eucaliptos, em que o Tesourinha jogou alguns minutos e, após o término da partida, arrancou a rede de uma das goleiras como recordação, ao som da “Valsa do Adeus”. Eles cantaram juntos essa também.

Foto do centro: meu avô Israel com o jogador Valdomiro, no Beira Rio, 69/70. Correio do Povo, 10/02/80.

Meu avô morreu quando meu pai tinha 16 anos.

Eu não o conheci, mas sou herdeiro de algumas características suas: alto como ele, apaixonado por MPB, colorado. Não fundei um clube de bocha, mas uma agência de publicidade. Nessa semana, na minha empresa, eu tive uma enorme felicidade: fazer uma campanha publicitária para o time do meu pai e do meu avô. O clube do Hilton, do Israel e do povo.

Anúncios para a estreia do filme "Absoluto"

A G7 Cinema contratou a Bistrô para criar as peças de divulgação do evento de estreia do filme Absoluto, que narra o bi da Libertadores da América. E, vejam só, a exibição do filme será uma outra despedida: não de um estádio dessa vez, mas de uma equipe valorosa, que parte para Abu Dhabi em busca do Mundial. Talvez venha a ser a maior sessão de cinema que o mundo já viu, entrando no Livro dos Recordes. Certamente, é um dos trabalhos mais gratificantes que eu já tive a honra de realizar. Nada como fazer publicidade com envolvimento: é no que a gente acredita aqui na Bistrô.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Na próxima terça-feira, dia 7, eu vou tomar mais uma vez o rumo do Beira-Rio. Como em tantos finais de semana. Vou ligar para o meu velho e convidá-lo pra ir comigo. E pro meu irmão do meio. E pro mais novo. E pro meu primo. Dessa vez, será ainda mais especial. Também vou guardar com muito carinho um outro recorte de jornal: a Zero Hora dessa quinta-feira, com o anúncio para o Inter assinado pela Agência Bistrô.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:51

Globalização da economia, exclusão social e instabilidade

por blogdobesnos, em 16.04.12

Globalização da economia, exclusão social e instabilidade

Maria de Lourdes Rollemberg Mollo(1)

 

Introdução

A globalização da economia é o processo através do qual se expande o mercado e onde as fronteiras nacionais parecem mesmo desaparecer, por vezes, nesse movimento de expansão. Trata-se da continuação do processo de internacionalização do capital, que se iniciou com a extensão do comércio de mercadorias e serviços, passou pela expansão dos empréstimos e financiamentos e, em seguida, generalizou o deslocamento do capital industrial através do desenvolvimento das multinacionais.

A fase atual, chamada de globalização, caracteriza-se por: a) deslocamento espacial das diferentes etapas do processo produtivo, de forma a integrar vantagens nacionais diferentes(2); b)desenvolvimento tecnológico acentuado, nas áreas de telemática e informática, usando-o de forma a possibilitar o deslocamento espacial das fases de produção e reduzindo tempo e espaço no processo de comercialização; c) simplificação do trabalho, para permitir o deslocamento espacial da mão de obra; d) igualdade de padrões de consumo, para permitir aumento de escala; e) mobilidade externa de capitais, buscando rentabilidade máximas e curto prazo; e f) difusão (embora desigual) dos preços e padrões de gestão e produção, mantendo, todavia, diferenças de condições produtivas que são aproveitadas no deslocamento da produção.

Trata-se, pois, de buscar aumentos cada vez maiores nas condições de concorrência e de ampliar ao máximo o mercado, o que impulsionou no mundo inteiro a prática do liberalismo econômico. Assim observou-se, ao lado da abertura comercial generalizada, a difusão dos processos de desregulamentação e de privatização, no mundo todo.

Este tipo de prática, não apenas retirou o Estado de várias áreas, reduzindo seu papel, mas ainda dificultou sobremaneira sua atuação, uma vez que a mobilidade de capitais acentuada torna os países extremamente vulneráveis a mudanças nas expectativas, e inviabiliza o prosseguimento de políticas internas. Além disso, a privatização desordenada e o desmantelamento do aparelho estatal tiram instrumentos e margem de manobra do Estado.

É inegável que o acirramento da concorrência amplia a chamada “eficiência” no que se refere, por exemplo, à queda dos preços, o que funcionou positivamente nos programas de estabilização mais recentes, como o brasileiro. É inegável, também, que a qualidade dos produtos cresce, assim como o desenvolvimento tecnológico é estimulado. Mas a liberalização econômica em escala mundial teve também conseqüências danosas, que sugerem a necessidade de retorno à regulamentação estatal. Entre elas destacamos: a) a intensificação dos processos de concentração, polarização e marginalização, que ampliam o caráter excludente do capitalismo; e b) o aumento da volatilidade dos capitais, da instabilidade financeira e do caráter fictício do capital, que colocam em risco o próprio andamento das economias a médio e longo prazos. Entender as razões para que estes processos tenham se desenvolvido paralelamente à globalização, é o primeiro objetivo desse trabalho. Discutir a necessidade de maior intervenção do Estado, buscando atenuar tais problemas, é o nosso segundo objetivo. 

O caráter excludente da globalização: concentração e centralização do Capital polarização e marginalização 

Através dos processos de concentração e centralização do capital os principais setores da economia são controlados cada vez mais por um pequeno grupo de empresas que fica cada vez mais poderoso. Os processos ocorrem através de reinvestimentos das próprias empresas nos setores onde atuam (concentração), ou através de fusões e incorporações de outras que sucumbem à concorrência (centralização). Várias são as razões para tal resultado. Existem custos irrecuperáveis de instalação das empresas que desestimulam a saída de firmas de um setor. É o caso de gastos em pesquisa e desenvolvimento nas áreas de inovação e imitação, que desestimulam a saída das firmas que já realizaram tais gastos. Esse é o primeiro fator que conduz à concentração. Além disso, os gastos em pesquisa e desenvolvimento são muitos elevados e são os mais concentrados do mundo, expressando a concentração já existente e promovendo seu agravamento. Finalmente, os custos de coordenação e de tecnologia de informação para operar as redes de produção sofisticadas e internacionalizadas são também barreiras à entrada de novas firmas, funcionando como terceira razão para o processo de concentração do capital.

Tal processo de concentração do capital encontrou os setores mais fortes e desenvolvidos nos países mais avançados. Com isso, cresce o hiato entre os mais avançados – Alemanha ou Europa Ocidental, enquanto bloco, Estados Unidos e Japão. A este processo, que amplia o hiato de renda e desenvolvimento entre os países mais desenvolvidos e os demais, chamamos polarização. Para essa polarização contribuíram o montante elevado de pesquisa e desenvolvimento que os países mais ricos despendem, fundamental para o sucesso no processo de globalização; a irreversibilidade dos investimentos muito elevados; e os rendimento crescentes proporcionados pelo fato de terem chegado primeiro. O processo de polarização mostra que a difusão da mudança tecnológica é grande, mas é desigual e amplia as desigualdades.

Estas desigualdades são também ampliadas no interior de cada país, mesmo aqueles que obtêm maior sucesso no processo de globalização. Elas podem ser medidas por indicadores como taxa de desemprego, nível dos salários, desigualdades de renda e deterioração das condições de trabalho. Os níveis de desemprego de 11,5% da força de trabalho na França, de 11,9% na Itália e de 22,7% na Espanha, em 1995, foram alcançados apesar destes países estarem bastante inseridos na globalização e ganhando, em termos de taxas de crescimento, com essa inserção. Trata-se, pois, de um crescimento excludente.

Mesmo nos EUA, Japão e Alemanha, países bem sucedidos no processo de globalização, embora as taxas de desemprego não sejam altas quando comparadas com os demais países, preocupa a deterioração das condições de trabalho, uma vez que as indústrias mais bem sucedidas tendem a absorver cada vez menos mão-de-obra. De fato, não apenas os salários de grande parte da força de trabalho envolvida na produção dos artigos globalizados são irrisórios, mas também são péssimas as condições de trabalho dos chamados “sweatshops”(suadouros), que existem não apenas nos países da Ásia Ocidental, mas na América Latina e mesmo dos EUA (3), e são pagos não por empresas de pequeno e médio portes, mas por grupos globalizados e famosos como Nike, Macy’s, J.C. Peumey etc.

Observe-se que tal processo de marginalização também ocorre nos países menos desenvolvidos e, nesses, ele ainda é mais grave em vista da distribuição de renda mais regressiva, e menor abrangência dos programas de seguridade social.

De fato, os dados do Banco Mundial(4) confirmam tal situação. Calculando a renda per capita dos 20% mais ricos da população de cada país e dividindo-a pela renda per capita dos 20% mais pobres, temos um indicador de desigualdades de renda. Este indicador é de 4,3 para o Japão; 4,4 para a Espanha; 6,0 para a Itália; 7,5 para a França; 8,9 para os EUA; 9,6 para a Jamaica – país que é o que maior desigualdade de renda apresenta pelo índice de Gini; 11,7, para a Venezuela – país exportador de petróleo, onde em regra a distribuição de renda é muito desigual; 15,5 para Colômbia; e, nada menos, infelizmente, que 32,1 para o Brasil.

Esses dados, por um lado, retratam o processo de marginalização ou exclusão social que ocorre paralelamente ao processo de globalização. Por outro, eles mostram que, para interrompê-los, é preciso que o Estado entre regulamentado e direcionando o processo de desenvolvimento, ainda que, para isso, tenha que enfrentar oposições não desprezíveis. Finalmente, esses dados mostram que o sucesso da globalização não pode apenas ser julgado pelo que possibilita em termos de ganhos de concorrência e preços baixos, mas devem ser também deduzidos os custos, em termos de exclusão social, que o acompanham. 

Volatilidade de Capitais, Instabilidade Financeira e Monetária 

O processo de globalização e, mais particularmente, a desregulamentação e a abertura econômica que o caracterizam, vêm sendo responsáveis por um crescimento acentuado da volatilidade de capitais. Capitais podem ser aplicados rapidamente em diferentes tipos de ativos financeiros e monetário num grande número de países. A abertura permite ainda que os mercados financeiros e de câmbio se comuniquem facilmente. O resultado é o que, na busca por lucros fáceis e rápidos, os capitais se movem de um lado para outro. Como as moedas ficam sujeitas a livres transações, suas cotações flutuam acentuadamente, criando problemas internos aos seus países, e aos governos, que não podem realizar as políticas econômicas desejadas. Além disso, a facilidade com que podem sair do país provoca grande instabilidade financeira, uma vez que o sistema bancário pode estar com um grande montante de ativos em divisas e as mudanças abruptas de cotações e de montantes aplicados pode deixá-los de repente sem a reservas necessárias.

Em terceiro lugar, os lucros obtidos nesse processo especulativo, fogem do controle dos países e das Autoridades Monetárias de cada país, tornando as tendências econômicas mais imprevisíveis. Tal imprevisibilidade conduz ao tateamento, pelo mercado, das melhores opções de aplicação de recursos e ao aparecimento de novas opções de aplicação, inovações financeira e produtos novos. Entretanto, apesar de terem surgido para reduzir a incerteza, tais tateamentos e inovações não fazem mais do que aumentá-la, ao proporcionar ainda mais movimento de capital de um lado para outro, na ânsia de ganhar muito com pequenas flutuações de preços, ou de se proteger contra perdas esperadas.

Finalmente, tais facilidades de ganhos especulativos em aplicações internacionais acaba por representar uma punção de recursos que de outra forma representariam investimentos na esfera produtiva, em desfavor, portanto, de maior crescimento a médio e longo prazos.

Todos estes acontecimentos são fruto da desregulamentação, que tirou o Governo do setor financeiro; da abertura, que liberou o câmbio e tirou as barreiras às entradas de capital controladas pelo Estado; da queda do poder financeiro do Estado, que reduziu sua atuação nas políticas anti-cíclicas da economia. Em uma palavra, são frutos da liberalização. 

Conclusão 

Uma vez analisados os problemas provocados pela globalização, é possível agora analisar a conveniência do retorno do Estado intervindo na economia e, mais que isso, da intervenção planejadora do Estado. Não se trata de, ingenuamente, acreditar que a globalização pode ser evitada. Mas há que se inserir nela de forma específica, atendendo às necessidades próprias de cada país, para o que é necessário, antes de tudo, que se tenha um projeto nacional de desenvolvimento claro, onde explícitas as prioridades desejadas pela sociedade. Uma vez desenhado tal projeto, cuja discussão e execução devem ser encaminhadas pelo Estado, é possível preparar uma inserção na globalização mais afetiva e adequada à realidade do país.

Também não se trata de imaginar experiências e planejamento iguais às do passado, porque as condições hoje são outras, mas de discutir formas de orientação e coordenação estatais, assim como de parceria com o restante da sociedade, que convenham no sentido de atenuar alguns problemas e evitar outros provocados pelo liberalismo.

Os autores econômicos mais críticos do liberalismo, apoiados nos escritos de Keynes e Marx, insistiram em pelo menos três aspectos onde a intervenção do Estado se fazia necessária:

  •  
    • para garantir a inserção social da força de trabalho no processo produtivo, ou sua manutenção, apesar de desempregada;
    • para administrar a moeda centralizando sua dinâmica, de forma a não deixá-la à mercê de interesses privados;
    • para intervir na relação entre capital financeiro e capital produtivo, de forma a evitar o predomínio da especulação comprometendo a acumulação de capital.  

Assim, seguem abaixo algumas razões para a intervenção planejadora do Estado: 

  1.  
    1.  
      1. O estado precisa, sinalizando setores, regiões e objetivos prioritários, reduzir os custos sociais, incorporando maior parcela da população aos ganhos do processo produtivo. Isso só é possível redirecionando o processo de crescimento econômico, o que não pode, por definição, ser feito pelo mercado, cujo poder encontra-se nas mãos dos que ganham com o “estatus quo”. Além disso, tem um papel na criação de frentes de trabalho e programas de administração do desemprego e de seguridade social.
      2. As altas taxas de crescimento brasileiro, quando observada sua tendência histórica e quando compradas com a taxas dos países mais desenvolvidos, mostram que é necessária boa dose de coordenação, sob pena de aparecerem pontos importantes de estrangulamento.
      3. A concorrência vê as vantagens da mão de obra barata, mas também vê a proximidade e o tamanho dos mercados como atrativos para os investimentos. Além disso, a produção ‘just in time” vem exigindo o desenvolvimento do comércio intra-industrial. Estes fatores sugerem quão importante poder ser um mercado interno grande para o sucesso na concorrência , e quantos espaços um modelo de desenvolvimento menos excludente e mais igualitário poderia ganhar neste sentido, o que pode ficar à mercê da mera regulação mercantil.
      4. O tamanho e a eficácia do setor de bens de capital e investimentos, assim como o nível de qualificação da mão de obra, a infra-estrutura de serviços públicos, o sistema de pesquisa e a infra-estrutura científica são fundamentais para a competitividade sistêmica. Não há como obter tais externalidades, sobretudo em países em desenvolvimento, sem esforço amplo de desenvolvimento e investimentos grandes por parte do Estado.
      5. as relações entre setor financeiro e setor produtivo precisam ser reguladas, de formas a evitar a perda de recursos em favor da mera especulação e garantir a viabilidade financeira dos programas prioritários para a realização do projeto nacional.
      6. Algumas regulamentações, barreiras e intervenções estatais para atender especificidades nacionais – que precisam ser desenhadas de acordo com o projeto nacional – nem sempre são sinônimos de insucesso no processo de globalização, como pensam os liberais. O caso japonês é a esse propósito significativo. O sucesso da inserção na globalização está ligado, entre outra coisas, à maior penetração nos países da própria tríade dominante – EUA, Alemanha e Japão. O Japão tem vantagens sobre os EUA, a esse respeito, porque pode entrar lá e garantir seu mercado, embora a organização produtiva e as regras japonesas dificultem a entrada dos EUA no Japão.  

As teorias econômicas que assumem rendimentos crescentes mostram que os maiores e mais desenvolvidos sempre têm vantagens e por isso tendem a se manter na dianteira do processo de desenvolvimento que iniciaram. Assim, é hora de pensar em padrões de desenvolvimento alternativos, que se preocupem mais com a solução dos nossos problemas específicos e menos em alcançar os mais desenvolvidos, copiando-os na tônica liberal.

Se para isso é preciso um Estado com as finanças saudáveis e financeiramente capaz, reconhecer sua importância é o primeiro passo a direção de implementação de reformas que, de fato, permitam-no cumprir seu papel. 

Notas

(1) Professora do Departamento de Economia da Universidade de Brasília. A autora agradece os comentários de Adriana Amado, que contribuíram para aperfeiçoar esse trabalho, embora se responsabilize pelas idéias aqui transcritas. 

(2) Assim, a Nike concebe os modelos de seus conhecidos tênis nos EUA, onde conta com cerca de 500 empregados, encaminha os modelos para Taiwan, onde são fabricados os protótipos e, finalmente, os produtos finais, fabricados a partir dos protótipos são produzidos no país da Ásia onde os salários estejam mais baixos.

(3) Jornal do Brasil, 28/7/96.

(4) Ver Relatório do Desenvolvimento Mundial de 1994. Os dados de distribuição de renda do Relatório de 1995 são os mesmos de 1994, razão pela qual não foi recalculado o indicador para o último ano.

Bibliografia 

Banco Mundial – Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 1994, FGV, Rio de Janeiro, 1994

Belluzzo, L.G.M.- “O declínio de Bretton Woods e a emergência de mercados globalizado”, em Economia e Sociedade – IE/UNICAMP, Campinas, n.4, jun/95.

Brunhoff, S. -“Etat et Capital”, FM/Foudations, Paris, 1981.

Chesnais, F. – La Mondialisation du Capital, Syros, Paris, 1994.

Coutinho, L. – “Nota sobre a natureza da Globalização”, em Economia e Sociedade– IE/UNICAMP, Campinas, n.4, jun/95.

Ianni, O.- Teorias da Globalização, Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1994.

Mollo, M.L.R. – “Estado e Economia: o papel do estado nas dinâmicas monetárias”, em Estudos Econômicos, São Paulo, USP. v.18.

OCDE – Economia Outlook – 58, december, 1995.

Plihon, D. – “Déséquilibres Mondiaux et Instabilité financière: la responsabilité des politiques libérales – quelques repères keynésiens”, mimeo, CEDI – Université de Paris XIII, 1995

 

Crédito da foto : Word Social Forum 2010 – http://www.flickr.com/search/?q=globaliza%C3%A7%C3%A30&page=2

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:28

Simples e grandioso

por blogdobesnos, em 16.04.12

Fiel?
Qual a torcida do Brasil que merece esse adjetivo?
Neste ano foram muitas demonstrações de amor ao clube.
Inesquecíveis momentos.
Como a do combalido São Paulo de Ricardo Gomes no Morumbi pela Libertadores.
A do Santos tomando de assalto o Pacaembu com a geração de Neymar e Ganso.
A do Bahia na sua inabalável fé no digno retorno.
A do Ceará na terrível luta para mostrar merecer permanecer na elite da Série A.
A do Atlético Mineiro que, junto com Dorival Júnior, salvou o time do caminho do rebaixamento, traçado por Vanderlei Luxemburgo.
A do Palmeiras na sua vã esperança de conseguir a Copa Sul-Americana.
A do Grêmio desnorteada de felicidade com a volta do ídolo Renato Gaúcho.
A do Corinthians tentando mostrar a sua fé inabalável, mesmo com Adilson Batista e Tite.
A do Cruzeiro, não percebendo a falta de ousadia de Cuca com um time maravilhoso.
A do Fluminense entusiasmando até flameguista com a conquista do Brasileiro depois de 26 anos.
As lágrimas de emoção da torcida do Coritiba com o retorno para a Série A depois do exílio do Couto Pereira.
Todos esses momentos foram grandiosos.
Mas, porém, contudo, todavia…
O que a torcida do Internacional fez hoje (ontem) no Beira Rio foi de arrepiar cadáver.
27 mil torcedores foram ao estádio assustir ao filme Absoluto e se despedir dos jogadores que vão para o Mundial.
Já se fala em quebra de recorde mundial de pessoas vendo uma película.
O que importa é a devoção, o amor, a postura dos torcedores em relação ao time.
Os jogadores sentiram mais uma vez a quem estarão representando em Abu Dahbi.
Quanta expectativa…
Quanta responsabilidade…
Receberam hoje a incumbência solene de ganhar o bicampeonato mundial de clubes.
Cada lado do Rio Grande já dominou o planeta.
Agora o lado vermelho quer botar banca, ganhar pela segunda vez o mundo.
E a mensagem foi caprichada.
Nada de tumulto no aeroporto.
No estádio sem jogo de futebol, 27 mil pessoas.
Para cantar o seu amor ao Inter e desejar boa sorte.
Podem me massacrar mas a maior demonstração de amor a um clube de futebol foi dada à beira do Guaiba.
Impossível não ficar tocado com tanto amor e não torcer, um pouquinho que seja, para o Inter voltar bicampeão do mundo….
Desculpem, gremistas…


Cosme Rímoli

 

Jornalista Paulista

Trabalhou 22 anos no Jornal da Tarde. Começou com o blog no Uol, no início de 2009. Em sete meses, teve mais de 11 milhões de acessos. Cobriu as últimas cinco Copas do Mundo, cinco Eliminatórias para a Copa, quatro Copas América e dezenas de finais entre Libertadores, Brasileiros e Campeonatos Paulistas. Ganhou o Prêmio Aceesp por seis vezes, como o melhor repórter esportivo de jornais e revistas de São Paulo nos anos 2000, 2001, 2005, 2006, 2007 e 2008.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:25

O que fazer em 2012

por blogdobesnos, em 16.04.12

Pedirei minha aposentadoria em 2012, logo tenho de ir pensando no assunto. Mais um ano de trabalho e um capítulo importante será encerrado. O capítulo obrigacional, a rotina do dia-a-dia. Já escutei muito sobre o assunto, tenho colegas que não sabem como e especialmente o que farão quando se aposentarem. Outros, por diversos motivos, fazem novos concursos e assim se manterão obrigados ainda por mais tempo.

Eu tenho algumas opiniões a respeito, e pretendo compartilhar.

Primeiro, o trabalho não é o centro da minha vida. O trabalho é o que mantém as coisas funcionando; só é fundamental nesse sentido pragmático.  A própria palavra trabalho vem do latim tipalium, sendo que tripaliu era um instrumento de tortura aplicado aos escravos e pobres que não pagavam impostos; estrangeiros indefesos dentro de uma sociedade escravocrata. Assim, a palavra trabalho (e sua atividade) tinha uma valência negativa, e com a mesma atravessou toda a idade média. O protestantismo, a partir do século XVI, contudo, viria a lhe atribuir um valor positivo. De todo modo, é interessante juntar que “Weber apontou para a noção de que as religiões e seitas protestantes contribuíram notavelmente para que o tal “espírito do capitalismo” emergisse triunfantemente e avaliou como o discurso teológico contido nas derivações religiosas que nasceram a partir das Reformas acabaram redundando em relevantes posturas no plano da economia através de sua influência na doutrina capitalista. Certamente Weber não foi o primeiro a relacionar religião, política e economia, mas em “A ética protestante e o espírito do capitalismo” ele apresentou elementos com uma contundência inovadora(1)”.

Então, é justo pensar que algo que era degradante ao espírito e à essencia humana (escravos não eram considerados humanos, mas sim objetos de livre mercancia e circulação) e, portanto, subordinado aos poderes políticos e econômicos dominantes, foi, por influências religiosas, erigido a algo não somente apreciável mas, de certa forma, necessário. Consideremos também que a ética protestante irá influir no âmbito de países que passaram a se desenvolver economicamente: Inglaterra, Escócia, Países Baixos, Suécia. Um pouco mais tarde, começaria, de modo difuso, tensionado, os primórdios da Revolução Industrial, cujo alcance e expectativas foram assumidos lentamente pelas culturas nas quais tal religião diminuía dramaticamente o poder e a influência do catolicismo. É claro que a passagem da artesania para o trabalho alienante e alienado denunciado por Marx não se deu de modo passivo. Que o diga o movimento ludista. Mas, para todos os efeitos civilizatórios, o trabalho, de tortura passou a ser considerada uma atividade que “enobrece o homem”, embora me pareça, por vezes que o único liame que os trabalhadores (e a classe proletária, diria Marx) apresentam com relação à nobreza é justamente o fato de que os menos aquinhoados continuam trabalhando e entendendo, não raro, que seu trabalho não pode misturar-se com o prazer, que o humor é incompatível com a aquisição de competências e que a marginalidade é prima-irmã do ócio.

Como trabalhei o tempo suficiente para me aposentar, serei pois, erigido socialmente a um nada? Tenho de me ocupar com isso ou assumir que devo trabalhar motu continuum, buscando, assim, não ser visto como um pária social? Há pessoas que sentem muito a aposentadoria. Estarei entre uma dessas, ou apenas e tão-simplesmente criarei objetivos para continuar com minha vida produtiva sem o estresse diário? Noto que alguns colegas e amigos entram em pânico quando pensam em aposentar-se. Estão sendo sinceros; da mesma forma que o trabalho foi erigido, de miséria social à condição de dignidade essencial ao ser humano, o ócio, por outro lado, é demonizado. Simplesmente não sabem o que farão e o que será de suas vidas. Os contornos dramáticos acompanham tais considerações. Especialmente quando o conhecimento, a leitura e o senso crítico não foi exatamente uma companhia constante na vida de tais pessoas. Quando o senso crítico e o conhecimento não são cultivados, temos a tendência a acreditar, muitas vezes de modo cego, no senso comum. Mas isso é outra história.

De todo modo, creio que terei direito inalienável e intransferível de um período sabático, de uma adaptação à uma nova visão do mundo e à busca da tribo à qual integrarei. Será, em princípio, uma tribo urbana. Projetos? Sim, tenho alguns, ligados às minhas paixões: desenho, blog, conhecimento, educação, escrita, cultura. Ao longo dos anos de trabalho, não abandonei o que sempre gostei, então, no final de uma das trilhas representada pela linha reta do trabalho, haverá algumas curvas a serem analisadas, desfrutadas. Juro que não me dedicarei à física nuclear e nem à matemática do caos! Pretendo, pois, ainda sem saber como, em administrar as minhas paixões.  Entre um chope e outro, entre uma viagem e outra, entre um dia e outro. 

 

(1) O trabalho enobrece o homem? – Parte 1 – Artigo sobre o ensaio “Para que trabalhar?” de Max Weber – Parte 1: Entre o catolicismo e o protestantismo e a aventura e o trabalho – Paulo Alexandre Filho - Publicado em 23.01.2004 –http://www.duplipensar.net/lit/alema/2004-01-maxweber.html. Consultado em 10/12/2010, às 14h53.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:22

O luxo e o bar-compartilhar

por blogdobesnos, em 16.04.12

Há momentos absolutamente inesquecíveis. Quando, ao longo da vida, você cultiva valores, compartilha aflições e se coloca na situação do outro e recebe umfeed back de todo o seu carinho, de toda a sua participação na vida de seus filhos, por exemplo, o prazer não se conforma em si mesmo. Ele excede. Tais momentos passam a ser luxuosos. Os dicionários dizem que o luxo está ligado ao consumo do supérfluo, da muitas vezes arrogante demonstração de excesso, da jactância; o luxo está ligado, inequivocamente a uma expressão de poder, normalmente econômico. No entanto, o luxo necessariamente não necessita de tais prerrogativas. Viver bem é um luxo. Não ter contas atrasadas é um luxo. Um bom café da manhã, uma mesa farta, a escolha de um modo de vida honrado e uma positiva imagem pessoal construídas ao longo da vida, uma viagem em parceria, uma boa leitura, são luxos. Talvez o maior de todos os luxos seja o de amar e de ser amado, o de ver poesia nas coisas simples do cotidiano, uma mirada sobre o horizonte, uma mente que não se configura através da busca neurótica de razões, de objetivos imediatos, de interesses, tudo isso é um luxo.

 

Luxo está ligado à luxúria, e luxúria é prazer. Luxos economicos muitas vezes trazem problemas, sendo um deles o de manter o próprio exagero, a própria imagem de fausto, a arrogância do mostrar para o outro quem nós somos através daquilo que adquirimos. Esse luxo, aquele do dicionário, pode dar muito trabalho ou pode dar muito aborrecimento adicional. Há aqueles, contudo, que são os luxos da alma, os do compartilhamento, os dos instantes genuínos, os dos simples desfrutar, o de deixar sentidos e sentimentos fluírem, o de presentear alguém com alguma atitude inesperadamente imprescindível. O luxo das coisas que não são mercancias. Aqueles luxos que residem no simples e inconfundível querer, e que se consubstanciam no reconhecimento, na beleza e na placidez do que recebemos de modo tão deliciosamente amigo.

 

Ontem à tarde, houve uma formação da SMED e, quando a mesma terminou, encontrei pessoas que são muito caras. Decidimos conversar um pouco, sentar em uma mesa de bar. Ficamos ali, rindo, contando histórias, enquanto o tempo fluía como um rio, enquanto os compromissos eram maravilhosamente deletados. O prazer de estarmos juntos simplesmente por estar juntos, sem nenhum interesse maior que não o estar próximo, o compartilhar de momentos de carinho, de descompromisso com o imediatismo, com a retórica, com os desvãos e desvios que somos obrigados, muitas vezes a tomarmos nessa coisa que denominamos de dia-a-dia. Longe de tudo que estressa e perto de tudo que congrega.

 

Cátia, Gilson, Camila, Carlos, Bárbara, obrigado pela tarde absolutamente luxuosa.

 

Grande abraço, do Hilton.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:00

Futebol de rua: quem perdeu, perdeu!

por blogdobesnos, em 16.04.12

Recebido do Hamilton Toldo. Grande texto e grandes verdades! Do Hilton, um abraço, amigão!


Camaradas: como digo e ensino aos meus alunos existem varios futebóis no mundo (felizmente), agora esse em especial quem não jogou não pode ser considerado um atleta de futebol.

 

As 10 regras do Futebol de Rua, o verdadeiro futebol de macho!


1. A BOLA
A bola pode ser qualquer coisa remotamente esférica. Até uma bola de
futebol serve. No desespero, usa-se qualquer coisa que role, como uma
pedra, uma lata vazia ou a merendeira do irmão menor.

 

2. O GOL
O gol pode ser feito com o que estiver à mão: tijolos,
paralelepípedos, camisas emboladas, chinelos, os livros da escola e
até o seu irmão menor.

 

3. O CAMPO
O campo pode ser só até o fio da calçada, calçada e rua, rua e a
calçada do outro lado e, nos grandes clássicos, o quarteirão inteiro.

 

4. DURAÇÃO DO JOGO
O jogo normalmente vira 5 e termina 10, pode durar até a mãe do dono
da bola chamar ou escurecer. Nos jogos noturnos, até alguém da
vizinhança ameaçar chamar a polícia.

 

5. FORMAÇÃO DOS TIMES
Varia de 3 a 70 jogadores de cada lado. Ruim vai para o gol. Perneta
joga na ponta, esquerda ou a direita, dependendo da perna que faltar.
De óculos é meia-armador, para evitar os choques. Gordo é beque.

 

6. O JUIZ
Não tem juiz.

 

7. AS INTERRUPÇÕES
No futebol de rua, a partida só pode ser paralisada em 3 eventualidades:
a) Se a bola entrar por uma janela. Neste caso os jogadores devem
esperar 10 minutos pela devolução voluntária da bola. Se isso não
ocorrer, os jogadores devem designar voluntários para bater na porta
da casa e solicitar a devolução, primeiro com bons modos e depois com
ameaças de depredação.
b) Quando passar na rua qualquer garota gostosa.
c) Quando passarem veículos pesados. De ônibus para cima. Bicicletas e
Fusquinhas podem ser chutados junto com a bola e, se entrar, é Gol.

 

8. AS SUBSTITUIÇÕES
São permitidas substituições nos casos de:
a) Um jogador ser carregado para casa pela orelha para fazer lição.
b) Jogador que arrancou o tampão do dedão do pé. Porém, nestes casos,
o mesmo acaba voltando a partida após utilizar aquela água santa da
torneira do quintal de alguém.
c) Em caso de atropelamento.

 

9. AS PENALIDADES
A única falta prevista nas regras do futebol de rua é atirar o
adversário dentro do bueiro.

 

10. A JUSTIÇA ESPORTIVA
Os casos de litígio serão resolvidos na porrada, prevalece os mais
fortes ou quem pegar uma pedra antes,

QUEM NÃO JOGOU, PERDEU UM DOS MELHORES MOMENTOS DA VIDA.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:56

Tenho 56 anos

por blogdobesnos, em 16.04.12

Para alguns mais jovens sou uma figura que se localiza entre o paleolítico e o neolítico, embora o meu comportamento, regra geral, não seja estritamente conservador. De todo modo, há algumas reações, especialmente de alunos (ou matriculados), que denotam qual o papel social que reservam “aos mais velhos”. Há muitos exemplos disso. Um deles: estou passando pelo pátio da escola, onde há um grupo jogando volei. Peço para dar um saque, só para brincar um pouco.  “O professor vai sacar??!!”, dizem algo entre o incompreensível (o professor de matemática sacando) e o inesperado (ele não vai saber, ele vai errar, ele está invadindo o nosso território). O saque faz uma breve viagem e acabo convertendo um ace, que, é claro, não conta para o time. Às vezes, quando deixo, converto mais de um ponto. Saio feliz e sigo meu caminho. O que mais me chama atenção é, justo, o comportamento de determinados alunos (deixemos assim), para os quais a categoria social e profissional professor ( à excessão óbvia do professor de educação física) pertence a uma outra esfera, a um outro mundo no qual há portões de inacessibilidade. Professores ou adultos maduros são outros nos quais não se refletem alguns (ou a maioria) dos adolescentes. Outra situação: são poucos os alunos que normalmente cumprimentam os professores. Aliás, no meu caso, eu diria que são pouquíssimos. É hábito comum a não gentileza com quem não compartilha da mesma tribo, do mesmo clã.

De todo modo, não consigo entender como um déficit, como um valor negativo o fato de ter cinquenta e seis. É claro que existem doenças preferenciais, uma maior vulnerabilidade e que o corpo não vai responder tão prestimosamente a quem começa a chegar perto dos sessenta e não tem uma história de cuidados especiais com o corpo, como, por exemplo,  fazer ginástica e caminhadas rotineiramente. E também é verdade que uma vida razoavelmente gratificante não é algo que sugira ser este um argumento que possa excluir o regramento de uma vida física construída na base do bom senso. Enfim, é uma fase de vida na qual os verbetes diabetes, colesterol, triglicerídeos, sedentarismo, entre outros, passam a habitar o dia-a-dia. É uma mudança e tanto.

Por outro lado, há histórias vividas, há perdas, há conquistas, há todo um desenvolvimento que se foi lastreando ao longo do tempo. Coisas, sentidos, sentimentos muitas vezes intangíveis mas vividos intensamente, teias de realidade, de desapontamentos, de (re)conhecimentos. Às vezes a experiência mostra sua face mais visível através da predição; de alguma forma aprendemos a ler o outro.  Talvez por isso eu pense que a vida tem um eixo muito forte em teias discursivas, em argumentações e em hipóteses. Por aí, porque é a própria experiência que, de certo modo, suaviza os impactos que a incerteza possa trazer. Muitas vezes escrevo e já escrevi no blog a respeito das relações conflituosas, quase dramáticas que existem na escola. No entanto, de vez em quando ocorrem alguns insights. Ontem à noite tivemos uma formação da SMED para professores. Gostei da exposição dos dois palestrantes, mas isso é assunto para outro post. A questão é que, enquanto ouvia um deles, me veio claramente a idéia de ingenuidade.

Na condição de professores, brincamos de maturidade mas somos ingenuos; agora, tenho clareza disso. Somos tolos em relação a nós mesmos, principiantes em um mundo totalmente fragmentado, em que existem novas chaves de acesso que desconhecemos, ensinando ou tentando ensinar para quem se encontra em uma posição social e econômica irrelevante, na gélida e realista expressão de Jeromy Rifkin (1) . Enquanto discutimos os últimos modismos educacionais, aprofundamos tais diferenças, em todos os sentidos. Talvez nos falte um pouco de pragmatismo.  Relembro do tempo em que tais idéias não habitavam de modo tão insistente meus pensamentos. A paisagem do início da viagem não é a mesma de seu final, mesmo que estejamos on board de aeroporto para aeroporto.  Talvez seja esta a grande vantagem de aprender a viajar: a observação mais atenta da paisagem.

Hoje leio mais do que lia antes, hoje viajo mais do que viajava antes, hoje ganho mais do que ganhava antes, hoje tenho experiências e histórias interessantes para contar. Prime facie, assisti a queda do muro de Berlim, vi o homem chegar à Lua, assisti a URSS virar Rússia, presenciei o Brasil ser pentacampeão de futebol, vi um ex metalúrgico ser eleito como Presidente da República, vi casamentos se assumirem e consumirem, assisti a dezenas de enterros, sofri muito, progredi, entrei em uma faculdade aos quarenta e seis, vi o passagem do século, assisti aos Festivais da Canção, presenciei o nascimento da TV a cores, vi as batalhas mortais do Oriente Médio, curti música (aquela outra, a verdadeira música), ajudei a criar meus filhos, plantei árvores, fui à praia, ri, até fiquei meio de porre de vez em quando e posso ingressar e sair de qualquer ambiente sem criar qualquer malestar simplesmente com a minha presença. Fui colecionando desilusão, conclui que acredito muito na experiência e na expectativa do amor, assisti à transição entre uma escola com outros parâmetros distintos do de hoje. Com cinquenta e seis posso dizer que, de certo modo, aprendi a conhecer algumas coisas. Adoro o ditado ladino que diz que mais sabe o diabo por ser velho do que por ser diabo.

Hoje me irrito mais facilmente com idiotices, hoje consigo conviver melhor com meus demonios externos e internos, escrevo, escrevo, escrevo. Cada escrita é como se fosse uma tatuagem gravada na minha mente. Não penso em ter novamente vinte anos. Não sofro em razão do que não vivi, apenas me decepciono, muitas vezes comigo mesmo, às vezes com outros. Não sou um rebelde convicto, não penso que possa mudar tudo. Melhor me concentrar em mudar o que possa, e isso, absolutamente, não é tudo. Sou respeitado pelos meus pares e as pessoas razoavelmente educadas me chamam de senhor. É um novo tratamento, senhor, que eu acho interessante. Alguns me chamam de velho, normalmente os deseducados, os ingenuos. Sou um senhor, sim, a quem interessar possa.

 

(1) FIM DO EMPREGO, O, Jeromy Rifkin, M. Books Editora

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:41

Nossos mineiros

por blogdobesnos, em 16.04.12

Nossos Mineiros


Cristovam Buarque, em Correio Braziliense, em 16/10/2010

 

A história da tecnologia está diretamente ligada ao bolso, não ao coração. Ela mostra a evolução do conhecimento em função de servir ao lucro, não à solidariedade. Mesmo as técnicas que permitem construir pontes são mais justificadas pelos ganhos do comércio do que pela liberdade e comodidade das pessoas. Até as técnicas médicas para fazer remédios ou equipamentos cirúrgicos são mais motivadas pelos ganhos econômicos de empresas do que pela saúde das pessoas.

O resgate dos mineiros chilenos é uma exceção nesta visão da tecnologia do bolso para a tecnologia do coração; do lucro de alguns para o alívio e a alegria de todo um povo.

Durante semanas e, sobretudo por 23 horas, o mundo inteiro comungou, graças à tecnologia de telecomunicações, para ver o êxito da engenharia no resgate dos mineiros chilenos, graças à vontade nacional, à competência de técnicos, à coragem de socorristas e ao apoio de todos os 17 milhões de chilenos.

Todos, no Chile e no planeta, despertaram e se solidarizaram com os mineiros soterrados, mas não despertaram para outro tipo de soterramento que pesa sobre 800 milhões de seres humanos, espalhados sobre a superfície da Terra: os adultos analfabetos, sem acesso à luz das letras. No Brasil, 14 milhões de adultos estão soterrados na escuridão do analfabetismo e não nos comprometemos nem nos mobilizamos para lançar-lhes a cápsula da alfabetização.

Foi Paulo Freire, um brasileiro, a pessoa que mais inovou na técnica de salvamento de soterrados na escuridão do analfabetismo. Suas cápsulas de alfabetização foram usadas com sucesso em diversos países. Mas o Brasil persiste na omissão diante do analfabetismo. O atual governo venezuelano conseguiu resgatar todos os seus soterrados na ausência de letras, como o governo chileno fez com os soterrados na falta de oxigênio. Mas nós continuamos relevando o assunto, alfabetizando no lento ritmo de quem não tem compromisso com a solução do problema.

Não nos decidimos a usar as cápsulas que já conhecemos. Nossos governos não se preocupam em condicionar programas e gastos a essa ação resgatadora, os universitários não aceitam ser socorristas alfabetizadores, os candidatos a presidente nem ao menos tocam no assunto durante os debates.

O salvamento dos chilenos exigiu a invenção de técnicas nunca antes utilizadas, custou cerca de R$ 1,5 milhão para cada um deles, e o Chile pagaria 10 ou 100 vezes isso, se preciso fosse. O salvamento dos nossos mineiros custaria R$ 300 para cada um. Em quatro anos, seria 0,1% da receita nacional para alfabetizar 14 milhões de brasileiros.

 

Por que o soterramento físico cria solidariedade e o soterramento intelectual é tolerado, como se o problema não existisse?


Pode ser porque o analfabetismo não se mostra como espetáculo dramático nos noticiários da televisão; pode ser porque a vida seja importante independentemente das oportunidades dos vivos; pode ser porque o salvamento dos mineiros garanta mais votos e a alfabetização conscientizadora possa tirar votos. Mas é, sobretudo, porque a erradicação do analfabetismo não empolga, nem permite a comemoração nas ruas, apenas muda definitivamente a realidade de um país.

Dentro de poucos dias, as ruas de Santiago e de Copiapó estarão iguais ao passado. A diferença será o aumento de 33 homens caminhando por elas e um sentimento de orgulho, que poderá trazer mais unidade nacional, mas pouco será visto diretamente como conseqüência do salvamento dos mineiros.

O Brasil, porém, seria um novo país se dessoterrássemos, recuperássemos para a vida moderna, os milhões de analfabetos que teimamos em deixar sem letras: vivos ao ar livre, mas incapacitados para usufruir plenamente da vida moderna. Sem chance de emprego e renda satisfatórios, sem saber em qual ônibus estão subindo, qual remédio estão tomando, em que ruas estão, sem sequer conhecer plenamente nossa Bandeira Nacional.

Nossos analfabetos continuam soterrados, sem a luz das letras. E nós continuamos jogando fora a chance de declararmos o Brasil um território livre do analfabetismo e de sentirmos o alívio e a alegria de termos nossos mineiros incorporados ao mundo moderno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:40

O papa e os preservativos

por blogdobesnos, em 16.04.12

O papa Bento XVI disse que o uso de preservativos é aceitável ‘em certos casos’,…


O papa Bento XVI disse que o uso de preservativos é aceitável “em certos casos”, principalmente “para reduzir o risco de infecção por HIV”. A afirmação consta no livro que será lançado nesta terça-feira, aparentemente abrandando sua firme oposição contra o contraceptivo.

Em uma série de entrevistas publicadas na Alemanha, sua terra natal, o papa de 83 anos foi questionado se “a Igreja Católica não é fundamentalmente contra o uso de preservativos”. O papa respondeu que a “Igreja não vê o preservativo como uma solução real e moral mas, em certos casos, onde a intenção é reduzir o risco de infecção, ele pode ser utilizado como um primeiro passo para outro, mais sexualmente humano”, disse o papa. 

O novo volume, cujo título é “Luz do Mundo: o Papa, a Igreja e os Sinais dos Tempos”, é baseado em 20 horas de entrevistas conduzidas pelo jornalista alemão, Peter Seewald. As informações são da Dow Jones.

Publicado em http://br.noticias.yahoo.com/s/20112010/25/mundo-papa-diz-aceitar-preservativo-casos.html acesso em 20/11/2010, às 17h30min

 

COMENTÁRIO 1 : O PAPA está correto, realmente não são em todos os casos que podemos/devemos usar camisinha. Afinal, há casos e “casos”. Nos últimos, melhor usar!

 

COMENTÁRIO 2: O PAPA está ficando  moderno. Daqui a algumas centúrias possivelmente vá cogitar a hipótese, até agora inviável, de que possa haver sexo sem casamento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:37

Geração Y

por blogdobesnos, em 16.04.12

Geração Y muda estratégia no mercado de trabalho, by FinancialWeb, publicado  em 04/01/2010


“Os dados apontam para uma mudança importante de cenário. Se antes as empresas se preocupavam em buscar bons profissionais no mercado, hoje a atenção está voltada para a identificação de talentos e desenvolvimento de pessoas na própria equipe”, analisou Sérgio Averbach, presidente da Korn/Ferry para a América do Sul.

De acordo com os CEOs entrevistados, entre os principais motivos para este novo foco está a chegada da geração Y, pessoas que nasceram após 1980, ao mercado de trabalho. Esses profissionais são responsáveis por mudanças mais frequentes e profundas nas relações com as empresas. Para 16% dos participantes da pesquisa, esse grupo é responsável pelo aumento da distância entre indivíduos e organização, por conta de uma ligação menor com o trabalho. Já 10% dos entrevistados afirmam que esse tipo de colaborador apresenta mais equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.

Neste cenário, a necessidade de compreender a diferença entre engajamento e lealdade torna-se crítica para as empresas. Para Averbach, colaboradores mais antigos podem ser vistos como mais leais e menos engajados em mudanças ou em esforços de transformação. O oposto acontece com os jovens da geração Y“A chave está em entender as diferenças e investir na implementação de programas de desenvolvimento de carreiras que enderecem claramente as especificidades de cada perfil e equipe, sempre de olho na retenção dos principais talentos – e com atenção especial aos potenciais”, afirmou. “ 


Minha Consulta ao site referido foi feita em 18/11/2010, às 20h15min. Fonte internet: http://www.itweb.com.br/noticias/index.asp?cod=64062

 

E a geração Y? O que é e a que vem? Pelo que me consta, é o retrato acabado do pós-moderno. Não pensam em carreiras prolongadas, tendo uma noção mais refinada do que seja o tempo posto no trabalho e o exercido no lazer, misturando trabalho e prazeres pessoais. Uma outra característica é a intensa criatividade e não ter medo de propor novas alternativas dentro de um quadro de estabilidade que muitas vezes deixa passar novas chances de melhor gerenciamento e possibilidades de estabelecer negócios.

Há um certo desconforto que, em princípio é entendido como geracional, quando quadros mais antigos se vêem ou se acham confrontados com jovens talentos que não possuem uma história dentro de uma organização formal. Penso que não se trata somente de um choque geracional; há mais do que isso. Ontem à noite, assistindo a Globo, vem o Sardenberg, com seus indefectíveis gráficos e colocauma pesquisa (atenção para a expressão mágica, senhores e senhoras) segundo a qual o salário vem em quinto lugar na preferência do povo da Geração Y. Desconfio que não, mas os itens anteriores se referem à satisfação pessoal, ao sentir-se bem e, se explorarmos melhor, diz mais respeito a conferir um significado e sentido diferentes em relação a atividade produtiva, não dentro de uma noção de construção linear de uma carreira abrir aspas bem sucedida fechar aspas, cujo ápice seria o ansiado trinomio segurança –  recompensação financeira – posto de gerência.  Claro que há tensões entre os que construíram uma carreira, chamados de geração X e um jovem semi-novato que já ingressa na empresa dentro de uma posição de maior prestígio e visibilidade.  Os da geração X se sentem no mínimo injustiçados e por aí vai. Essa seria uma óbvia questão de desajustes entre os que tendem à construir uma carreira, e em razão da mesma, pleiteiam ascenção profissional e se vêem surpreendidos quando alguém jovem assume tais posições e, óbvio,  subordinam os primeiros. 

Não é uma situação fácil ou agradável de ser encarada, podendo gerar desinteresse por parte da geração X em relação ao próprio trabalho, boicotes mais ou menos graves, mas normalmente dispersos, uma crise institucional na empresa ou o afastamento de pessoas que se consideravam, até a ascenção da geração Y, intocáveis. Mais do que discursos, a geração Y carrega consigo atualização profissional, cursos universitários e uma especial predileção para um aprendizado extensivo. Não morrerão pela empresa e quando se aposentarem, não se sentirão mortos-vivos, duentes vagando por aí à espera da morte, nem aporrinharão à si mesmos e aos demais com seus achaques. A geração Y não fará isso, pelo menos é o que entendo, porque não erigiram o trabalho como valor máximo e virtuoso em suas vidas; tendo maior formação cultural, entendem melhor as relações produtivas e o mundo e por isso não sentirão tanto as angústias típicas de quem, por exemplo, se aposenta e não consegue imaginar outra coisa para fazer do que cumprir a rotina forçosa a que se habituou por mais de três ou quatro décadas.

A geração Y igualmente se difere da geração X pela múltipla carta de interesses que evoca à si própria. Vivendo em um mundo simbólico, tecnológico e mutante, não busca a fixidez como um dos seus princípios de atividade produtiva.  Para quem leu Bauman (1) a geração Y é a decorrência lógica de um mundo pontilhista, baseado no consumismo e no descarte, no qual a linearidade é substituída facilmente pela própria (re)construção identitária. Para quem leu De Masi (2) a atividade produtiva mistura-se com a informação midiática, o prazer, o jogo.  Segundo Bauman, a geração Y faz parte de uma nova classe de produção: a dos consumidores em contraste com a dos produtores, com características bastante distantes entre si. Para De Masi, cada vez mais se afirma o tele-trabalho, baseado na informalidade e em novos padrões de produtividade. Para ambos, se aprofundam os dilemas éticos e produtivos quando se pensa em uma sociedade na qual a imagem, a comunicação e as redes de cooperação cada vez mais estendem suas influências. Para Castells (3) vivemos um mundo em que a tecnologia da informática e das comunicações trouxe uma nova forma de as sociedades verem a si mesmas e as relações entre trabalho e cultura. 

A geração Y navega nos mares da expansão das redes sociais, da abertura da sociedade do conhecimento, da sinergia do mundo simbólico e, portanto, de um tipo de trabalho que mistura o intelectual com o prazer, com a entrega cada vez maior ao self learning, no qual as possibilidades de aprendizagem absolutamente não se esgotam no mundo catedrático. É ir além do beber da fonte educacionalstrictu sensu. Tais trabalhadores, assim,  tem uma visão fluida da realidade, bem como uma tendência a uma busca por níveis de educação sequenciados e que proporcionem uma visão mais criticizada da  vida eonomica, cultural e social. Embates continuam existindo, exigências produtivas cada vez mais tendem às vertentes simbólicas do que mecânicas. Somos parte de uma rede e o trabalho alienado e alienante não faz parte dos desejos mais caros de tal geração.  Dufour (4) entende que vivemos uma época na qual os grandes discursos se perderam, com o que, neste ponto, concorda Touraine, o que faz com que o individualismo exacerbado seja cada vez mais valorizado. Voltando a Bauman, em um de seus textos há uma frase que impressiona pela sua clareza fria e articulada: “No mundo do consumo, a solidariedade é o primeiro valor a ser perdido”. Uma crítica? Mais do que isso, para o bem ou para o mal, uma constatação aguda da realidade que o mundo propõe. Se não há mais espaço para a fidelidade pessoal, se há um intercambiar incessante e uma (re)criação identitária que beira a obcessão, menos espaço haverá, no que tange à fidelidade, às empresas.

Sabendo de antemão que empresas particulares tem uma baixa capacidade de proporcionar uma construção de projetos de longo prazo (o que não acontecia com a sociedade dos produtores da geração X), cabe à geração Y explorar os seus nichos que se baseiam na multiplicação dos recursos tecnológicos e, portanto, nas multitarefas e no apreço a uma qualidade de vida que não passe, necessariamente, por abdicar de seus valores em razão de promessas vagas de carreiras e de postos de maior visibilidade no mercado. Assim, acumula experiências e forma um capital social que não fica circunscrito especificamente a um determinado sonho. Como um bom financista, percebem que um valor posto para investimento corre menores riscos se for pulverizado. A informação tem a cara da geração Y.

Por outro lado, a aproximação geracional é bem-vinda, a partir do fato de que a experiência  não se dá apenas através da boa-vontade e da carta de serviços oferecidos pelas I.E.S (5); é necessário mais do que isso: a autorização de saberes acumulados e a vivência também são importantes a partir do momento em que é preciso aprender, mesmo como self learning, a refrear a impulsividade e dar uma melhor orientação ao complexo que amalgama a criatividade. É essencial, no processo produtivo, que haja um equilíbrio entre a experiência e o saber institucionalizado, entre a comunicação e a informação fluida do dia-a-dia, entre as técnicas operatórias de marketing e o simples e complexo ato de matutar, entre o arriscar-se e a prudência. Há, portanto, como em tudo que envolve a aprendizagem, seja na escola ou na vida, a necessidade de trocar com o outro. A arrogância da perda de solidariedade, já denunciada por Bauman tem mais do que o prenúncio do aviso: tem a sabedoria do entendimento de que não basta apenas o que formalmente se estabelece, mas que o caráter continua sendo um ponto de indiscutível avanço em toda e qualquer relação, entre elas a que ocorre no meio produtivo.

Por que postar sobre a geração Y? Por que essa reflexão? Porque me dou conta de que valores mudam. Há muitos sinais de que vivemos imersos em um mundo no qual interagem intensamente as gerações Y e X, e que suas posturas e comportamentos realmente diferem. Mas isso é assunto para um próximo post. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:32


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930




Arquivos

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D